sábado, 6 de outubro de 2012

I N T E R E S S E S

I N T E R E S S E S O que na existência se faz por interesse? – Ou, o que na existência se faz sem interesse? – Esta é uma pergunta bem interessante. Vejamos então o assunto. Interesses existem de todas as maneiras e formas. Existe o interesse direto como o indireto que tanto pode trazer vantagem ou não. O interesse, às vezes, está oculto e dele não nos damos conta sem uma análise profunda. Há o interesse de existir materialmente por isso o espírito reencarna. Existe o interesse de continuar a existência, por isso respiramos e nos alimentamos; existe o interesse de permanecermos vivos, por isso, quando ficamos doente, logo procuramos um meio para nossa cura, além do interesse de querermos nos livrar dos sofrimentos que a doença trás; existe até o interesse de morrer, quando a pessoa já bastante idosa ou bastante sofredora, debilitada e desesperança deseja a morte, com o interesse de querer se livrar dos padecimentos, e o interesse de evitar o sofrimento de seus parentes e ainda, o interesse de habitar o tão sonhado “céu”, prometido por Jesus para os justos. Existem interesses diversos como o de se alimentar de acordo com seus gostos para satisfazer o paladar; o de beber este ou aquele líquido por lhe agradar o gosto ou pelo interesse de lhe dar coragem para alguma ação; o de vestir com determinada roupa para se apresentar bem e satisfazer a vaidade; o de calçar determinado sapato pelo conforto e prazer de estar na moda; o de usar um relógio para saber as horas; o de usar óculos, para ter o interesse da boa visão; o de cuidar do corpo para se sentir bem e ter saúde; o de trabalhar, para não depender dos outros e ter seu próprio dinheiro; o de agradar a uns e outros para ser simpático e estimado; o de locomover-se para exercitar-se, passear, resolver assuntos e dirigir-se para outro local; o de dormir para descansar o corpo e não prejudicar a saúde; o de se divertir para descontrair e não cair na depressão; o de falar para se comunicar com os outros; o de ouvir para saber das “fofocas”, das coisas ou para aprender; existe o interesse de constituir família por vários motivos: entre eles evitar a solidão, ter uma companhia para repartir tristezas, problemas e alegrias; consolidar afetos e dar continuidade a família; temos o interesse de criar e educar os filhos para que se tornem bons cidadãos e perpetuem o nosso nome. Assim, desde o presidente do país até o mais humilde ser humano, o interesse sempre está presente, quando pensamos, falamos e fazemos ou deixamos de fazer alguma coisa. Até o simples fato de não se fazer nada, já demonstra o interesse oculto que é o de ser um parasita; assim mesmo há interesse nessa situação de inércia; o simples ato de respirar demonstra o interesse de continuar existindo. Durante nossa existência, existem o interesse de crescer, de estudar, de trabalhar, de ser importante, de ter uma situação privilegiada, de ter uma posição social, de praticar o mal ou o bem, etc. A verdade é que toda e qualquer ação ou reação que praticamos, tem sempre um interesse direto ou indireto, claro ou oculto, que nos beneficia ou prejudica, ou a um nosso semelhante. O bebê chora porque tem interesse de alguma coisa; a criança pede, reclama e exige por algum interesse, o adolescente tem o interesse que o mundo lhe sirva às vontades, o adulto sempre está interessado em algo que sente fazer falta; no idoso, o interesse vai desde o carinho dos netos até o desejo de se libertar do velho corpo, com problemas de saúde, que lhe impossibilita os prazeres de outrora, desejando até a morte como descanso dos sofrimentos. Existem interesses diversos movidos pelo prazer e desprazer, pela ambição e desprendimento, pelo orgulho, vaidade e humildade, pela ganância e simplicidade, pela mentira e pela verdade, pelo egoísmo e pela caridade, pelo ódio e pelo amor, assim como em nosso benefício e em benefício e prejuízo do nosso próximo. Até Jesus, ao vir a Terra e viver entre nós, também foi movido pelo interesse de fazer a vontade do Pai e, ainda, pelo desejo de ajudar a nós outros, pobres mortais ignorantes e atrasados. Foi por isso que Ele veio ao mundo e realizou como Mestre, o curso de aperfeiçoamento da existência e da evolução espiritual. Não existe, portanto, essa de se dizer que se faz isto ou aquilo sem interesse. Se você tiver dúvidas ou não aceitar a idéia de que tudo se faz por interesse, pense em algo que você julga que não faz por interesse, e certamente vai descobrir o interesse oculto; é só procurar. Tudo o que fazemos consciente ou inconscientemente, por um desejo, um prazer, uma necessidade, um dever, o fazemos por um interesse que se manifesta. Agora mesmo em que estou escrevendo este artigo, estou movido pelo interesse de transmitir esta minha opinião, de realizar este trabalho, mesmo sem o interesse de cobrar nada por esta exposição. Se, vivemos na base do interesse, a nossa consciência é quem vai julgar se os nossos atos estão voltados para a maledicência, prejudicando nossa evolução; ou se estão voltados para a fraternidade, á caridade o bem, ajudando-nos na caminhada para a luz, o amor e o Reino Divino. São tantos os interesses que nos move durante a existência que seria até enfadonho continuar mencionando-os. Mas, será que tudo é movido pelo interesse? Pesquisando e analisando muito cheguei à conclusão até hoje, de que finalmente descobri uma coisa que não é movida pelo interesse, que é: A SIMPATIA ou a ANTIPATIA, que sentimos instantaneamente, ao conhecermos uma outra pessoa. Esse fato não é movido pelo interesse, porque esse sentimento é espontâneo e já estava gravado no Espírito. Entretanto, no desenvolver desse sentimento, o interesse passa a existir. Exemplo: Ao conhecer certa pessoa e sentir simpatia ou amor por ela (como se diz; a primeira vista), nos vem logo o interesse de saber o seu nome, de conhecê-la melhor, de nos tornarmos simpáticos a ela, de conquistarmos a sua amizade, de sabermos onde e como vive etc. etc. Se, cientes dessa realidade, por que não procurarmos viver em paz com nossos semelhantes, seguindo os ensinamentos de Jesus? Por que não vivermos em harmonia com a Natureza e as Leis de Deus, fazendo o bem, se temos o interesse maior de merecer uma boa morada na Casa do Pai Celestial, quando da Terra partir? Seja você um interessado pela sua paz, harmonia e felicidade, fazendo dos seus interesses a escada para a sua felicidade beneficiando também o seu próximo, aqui na Terra para alcançar também a felicidade na Espiritualidade, para onde você, Espírito imortal, irá um dia, juntar-se aos seus entes queridos. Desejo a todos que lerem este artigo, muita paz, harmonia e saúde. . . Jc. S .Luís, 4/11/1998 Refeito em l6/9/2012

O EGOÍSMO

O EGOÍSMO Antes de falarmos sobre o egoísmo, vamos reler o que diz o Livro dos Espíritos, no capítulo XII, falando das paixões e do egoísmo: Pergunta 907 de Kardec – Visto que o princípio das paixões está na Natureza, ele é mau em si mesmo? Resposta dos Espíritos Superiores: - Não, a paixão está nos excessos acrescentados à vontade, porque o princípio foi dado ao ser humano para o bem, sendo o abuso que dele se faz é que causa o mal. Pergunta 913 de Kardec – Dentre os vícios, qual o que se pode considerar como radical? Resposta dos Espíritos: - Nós já o dissemos muitas vezes; é o egoísmo; dele deriva todo o mal. Estudai todos os vícios e vereis que no fundo de todos está o egoísmo. Todo aquele que quer se aproximar da perfeição moral, deve extirpar de seu coração todo sentimento de egoísmo, porque o egoísmo é incompatível com a justiça, o amor e a caridade. Ele neutraliza todas as outras qualidades morais. Pergunta 917 de Kardec – Qual o meio de se destruir o egoísmo? Resposta dos Espíritos: - O egoísmo se enfraquecerá com a predominância da existência moral sobre á material e, com o conhecimento da Doutrina dos Espíritos, que bem compreendida, transformará os hábitos, os costumes, os usos e as relações sociais. O egoísmo se fundamenta sobre a importância da personalidade, do eu, da pessoa, e o Espiritismo, ensinando o princípio da fraternidade e da caridade, faz a pessoa ver as coisas em tal amplitude que o sentimento de personalidade desaparece diante da magnitude da Criação Divina. Que o princípio da fraternidade e da caridade seja á base das instituições sociais, de pessoa a pessoa, de povo a povo. A cura poderá ser demorada porque o egoísmo é a fonte de todos os vícios, assim como o amor é a fonte de todas as virtudes. A educação é a chave do progresso moral. Que se faça pela moral tanto quanto se faz pelo conhecimento. Procurar destruir o egoísmo e desenvolver a caridade deve ser o objetivo de toda pessoa que deseja assegurar sua felicidade neste mundo e na Espiritualidade. À espera dos bens do Céu, o ser humano tem necessidade dos bens da Terra para viver. Jesus somente nos recomenda não dar maior importância aos da Terra que os da Espiritualidade, porque assim fazendo, estaremos nos tornando ambiciosos, egoístas e orgulhosos. O egoísmo se caracteriza na pessoa, pela ausência dos sentimentos de solidariedade, humanidade e caridade. A cobiça pelas coisas e riquezas terrenas, leva o ser humano a se tornar egoísta e insensível ao sofrimento alheio e ingrato até aos que lhe ajudaram a conseguir fortuna. Há ricos e pobres porque Deus sendo justo possibilita aos pobres a prova da resignação e humildade, e aos ricos, a prova da abnegação e da caridade. Às vezes se pergunta se Deus é justo ao dar a riqueza a essas pessoas que fazem da mesma lamentável uso, afrontando, humilhando e esbanjando, qual filho pródigo, sem trazer benefício a ninguém. Se todos tivessem apenas uma existência, nada justificaria essas desigualdades; mas, se considerarmos que tivemos outras existências, vê-se então que tudo se ajusta com justiça. Quem não tem riqueza material hoje, já teve ou a terá em outra existência; e quem a tem hoje, poderá não tê-la amanhã. Sendo assim, o pobre de hoje não tem motivo para acusar a Providência Divina nem para invejar o rico; e o rico não tem do que se vangloriar do que possui, porque na verdade, nada lhe pertence, e pode lhe ser tirado a qualquer momento, conforme aconteceu com o avarento da parábola narrada Jesus e está em Lucas cap. XII, vrs. 16 a 21. A fonte do mal está no apego, na ambição, no egoísmo e no orgulho pelas posses terrenas cuja duração é temporária, de vez que nada trouxemos quando chegamos e nada levaremos quando partirmos da Terra, a não ser o mérito ou o demérito dos nossos pensamentos palavras e ações. O egoísmo, essa chaga da Humanidade, deve desaparecer da face da Terra, cujo progresso moral retarda. O egoísmo é, portanto, o objetivo maior para o qual todos os verdadeiros cristãos devem dirigir suas forças para combatê-lo. O egoísmo é a negação da caridade e sem caridade não haverá tranqüilidade nem segurança na sociedade. Quando a lei do amor e da caridade for á lei da Humanidade, não haverá mais o egoísmo entre as pessoas; o fraco e o pacífico não serão mais explorados nem enganados pelos prepotentes e violentos que não mais existiram. Jesus nos deu o exemplo da caridade e Pôncio Pilatos o do egoísmo; porque, enquanto Jesus sofria a crucificação e pedia ao Pai o perdão para os seus algozes, Pilatos, sabendo que Jesus era justo e inocente, havia lavado as mãos, deixando que o conduzissem ao suplicio. A propósito do egoísmo, conta-se a história de certo homem que, com fé, rogou a Deus e em resposta recebeu a visita de um anjo do Senhor. O homem então perguntou ao anjo: - Mensageiro Divino, que devo fazer para viver ao lado de Jesus? – Faze o bem, respondeu o anjo. – Posso rogar-te recursos para semelhante missão? – retrucou o homem. Disse-lhe então o anjo: - Pedes o que desejas. - Voltou a falar o homem: - Quero muito dinheiro para socorrer o próximo. – O emissário divino estranhou o pedido e considerou: - Nem sempre o dinheiro é o auxiliar mais eficiente para isso. – Retrucou o homem: - Penso que, sem dinheiro, é muito difícil praticar a caridade. – O anjo ainda perguntou: - Não temes as tentações do dinheiro? – Não, - disse o homem. – Então terás o que desejas, mas não esqueças de que onde estiver o tesouro estará também o teu coração, e que as dádivas divinas devem ser usadas em benefícios dos semelhantes para que não te transforme em prisioneiro delas. O homem então prometeu exercer a caridade e servir sempre. Então os anjos da prosperidade começaram a ajudá-lo. Multiplicaram-lhe, de início, os alimentos e as roupas. Porém o devoto já remediado suplicou mais condições. – Deram-lhe então casa e haveres. Longe de praticar o bem, o homem considerava sempre escasso os haveres que já possuía e rogava mais haveres. – Deram-lhe rebanhos e mais haveres, mas o interessado de subir ao paraíso pela senda da caridade, temendo a miséria, pediu mais rebanhos e mais haveres. Não dava um pão nem uma sopa a ninguém, declarando-se sem recursos para auxiliar os necessitados, e pedia cada vez mais e mais, com a promessa de distribuir algum pão aos famintos. De alegre passou a ser desconfiado, carrancudo e solitário. Receando parentes e amigos, escondia grandes soma em caixa forte e assim viveu e passaram os anos, apegados aos bens que lhes tinham sido concedidos, sem fazer nenhuma caridade. Quando envelheceu, veio à morte do corpo, separando-o da imensa fortuna que tinha. Com surpresa, acordou em espírito, deitado ao lado do cofre. Objetos preciosos, pedaços de ouro e prata e muitas pilhas de cédulas, serviam-lhe de leito. Tinha fome e sede, mas não podia servir-se do dinheiro; queria a liberdade, porém os objetos pareciam agarrá-lo. Então gritou em pranto: - Santo anjo vem ajudar-me a partir em direção do Céu! – O mensageiro divino dignou-se a vir até ele e, reparando-lhe o sofrimento, exclamou: - É muito tarde para ti. Estás sufocado pelas facilidades materiais que o Senhor te confiou, porque a fizeste uso tão somente em teu proveito, sem qualquer benefício para com os teus irmãos de lutas, que sofriam necessidades enquanto tu vivias no egoísmo e opulência. – O infeliz homem implorou: - E o que devo fazer para voltar à paz e viver no paraíso? – O anjo pensou e respondeu: - Espalha com os necessitados as moedas que ajuntaste, desfaze-te das terras vastas que retiveste em vão com os sem teto, entrega à circulação do bem, todos os valores que recebeste do Tesouro Divino e que amontoaste sem utilidade, atendendo ao teu egoísmo e avareza, e depois disso, vem a mim para retomarmos o entendimento efetuado há sessenta anos atrás... Reconhecendo, porém, o homem que já não dispunha de um corpo físico para semelhante serviço, ainda implorou ao anjo: - Mensageiro Divino, dê-me a oportunidade de nova existência, com as mesmas condições, e prometo que farei como recomendas. O emissário divino respondeu: - Como não soubeste usar a fortuna que o Senhor te concedeu, em teu proveito e em benefício dos teus semelhantes, por causa da tua avareza e egoísmo, vais voltar à Terra, sem a ajuda do Tesouro Divino ao teu dispor. Sofrerás a falta do dinheiro, passarás privações, dormirás ao relento, tuas vestes serão andrajos e precisarás da caridade dos outros para viveres, e se muitos te faltarem com o auxílio, não estarás senão colhendo o que plantaste de necessidade aos que te suplicavam um pão. Aprenderás a dar o devido valor aos dons de Deus e usar o pouco que conseguires, em benefício dos outros mais necessitados. Só assim, resgatarás o teu débito para com o Tesouro Celestial... O homem voltou então a Terra, em nova existência em condição de extrema miserabilidade. Essa pequena história nos serve de alerta para começarmos hoje mesmo a ser mais caridosos com todos indistintamente, quer na pobreza como na riqueza, no nosso dia a dia, praticando e elevando os sentimentos de fraternidade, caridade e amor para com nossos semelhantes. O progresso intelectual realizado até hoje nas mais vastas proporções é um grande passo, e marca a primeira fase da Humanidade, mas é impotente para regenerá-la; enquanto o ser humano estiver dominado pelo orgulho e pelo egoísmo, ele utilizará a sua inteligência e os seus conhecimentos em proveito de suas paixões e de seus interesses pessoais; e é por isso que os aplicam no aperfeiçoamento dos meios para prejudicar os seus semelhantes. Só o progresso moral pode assegurar a felicidade dos seres humanos na Terra, pondo um freio às más paixões do orgulho e do egoísmo; só ele pode fazer reinar, entre eles, a concórdia, a paz e a fraternidade. Esse estado de coisas supõe uma mudança radical no sentimento das massas, um progresso geral que não poderia se cumprir senão saindo do círculo das idéias estreitas que fomentam o egoísmo. O número dos retardatários, sem dúvida, é ainda muito grande, mas o que podem contra as gerações, senão criar-lhes algumas dificuldades? Eles desaparecerão com as gerações que se vai a cada dia em grande número. Tentarão defender suas posições, mas é uma luta desigual porque é a do passado de vaidade de orgulho de egoísmo, contra o futuro da criatura de progresso, amparada por Deus, com sentimentos de bondade, fraternidade e amor porque os tempos marcados para a renovação do mundo está chegando, e nada poderá detê-la. As gerações que estão desaparecendo levarão consigo os seus preconceitos e os seus erros; as gerações que estão sucedendo, banhada numa fonte mais depurada, imbuídas de idéias mais nobres, imprimirá no mundo o movimento ascensional no sentido do progresso moral, que deve marcar a nova fase da Humanidade. Esta fase já se revela por sinais inequívocos, por tentativas de reformas úteis, por idéias grandes e generosas que nascem e que começam a encontrar ecos. As novas gerações, constituídas de espíritos mais evoluídos, com as idéias humanitárias compatíveis com o grau de adiantamento ao qual chegaram unidas ao sentimento do bem e das crenças espiritualistas, farão reinar na Terra, a justiça, a paz e a fraternidade entre os seres e os povos. . . O egoísmo, a fonte de todos os males, será então varrido da Terra e o amor que é a fonte de todo o bem, passará a reinar... Que a Paz do Senhor se faça presente em nossos corações. Bibliografia: Evangelho Segundo o Espiritismo A Gênese Jc. S. Luís, 23/04/1999 Refeito em l6/9/2012

A PRESENÇA DO SOFRIMENTO

A PRESENÇA DO SOFRIMENTO O Amor é a lei maior do Universo. Ela se expressa de várias maneiras, desde as formas mais singelas de vida. Tudo é beleza, harmonia e esplendor no Plano Divino, no entanto parece que há algo errado na existência do ser humano – o sofrimento. Esse fenômeno visita todos os lares e corações, desde o ignorante até o homem de cultura, da choupana ao palácio. Atinge os seres em todos os países, em todas as idades, em diferentes condições sociais e econômicas. Todos sofrem neste planeta; ninguém consegue ficar ileso a ele. Que contradição! Sendo tudo Amor no Universo, o ser humano sofre muito em escala individual e coletiva. Teria Deus criado o sofrimento para seus filhos? Concebendo o Criador como a perfeição e a misericórdia, isso é inadmissível, mas o certo é que o sofrimento nos segue; faz parte da história humana e, através dele é que a civilização avança em discernimento e luz espiritual. Se o sofrimento não é proveniente da vontade de Deus, nem da fragilidade humana, pois somos fortes e dotados de infinitos recursos para viver, de onde então vem o sofrimento? – A resposta é muito simples: da conduta do ser humano. Esse sofrimento provém de três causas distintas: Como provações, como expiações e como abnegações. Como provação, vem para resgate dos débitos contraídos para com a Justiça Divina. Na provação o espírito reencarna com uma programação feita na Espiritualidade da qual participou. Na expiação, o sofrimento imposto ao espírito foi programado pelos mentores espirituais, como compulsório, por se recusar ele em reconhecer seus débitos e não querer passar por resgates. Na abnegação o espírito vem como missionário, com existência difícil enfrentando privações e sofrimentos para dar o exemplo de resignação, igual á passagem evangélica do homem que nasceu cego, não por sua culpa ou dos pais, mas para que “se manifestassem nele as obras de Deus...” João 9: 1 a 3. Considerando a harmonia universal, e as leis que regem a vida espiritual e a existência do ser humano, aprendemos na Doutrina dos Espíritos que todo sofrimento é advindo da nossa intervenção nessa harmonia; de um desarranjo nos propósitos superiores da vida, que podem ser reparados por um ato de amor ou, caso isso não ocorra, por uma reparação pela dor. Por isso sempre ouvimos dizer que “quem não vai pelo amor, vai pela dor”. Quando nos equivocamos na existência, quando seguimos na contramão das leis, por ignorância ou vontade própria, repetimos a lição, a fim de aprendermos a discernir o que é certo e o que não deve ser feito, ocasião em que o senso moral vai sendo construído. Se, insistimos em continuar no erro, por teimosia, revolta, egoísmo, ou por vantagens materiais, abrimos espaço para que se instale o sofrimento, como meio de reparação da desarmonia criada. Se quiséssemos corrigir os erros que estamos cometendo, não haveria necessidade de passarmos por rigorosas lições de sofrimento. A questão é que não nos corrigimos o que seria mais razoável, mas unicamente nos livramos dos problemas sem esforço, na busca de prazer e conforto material. Os seres humanos são vítimas de doenças orgânicas e psíquicas, e todos se esforçam por se verem livres delas. Esses doentes em geral supõem que a Doutrina dos Espíritos realiza milagres e produz curas maravilhosas, a exemplos de outros que prometem e dizem que fazem. Por isso, as Casas Espíritas estão sempre recebendo doentes que, já havendo esgotado os recursos fornecidos pela medicina convencional, procura encontrar nela, como última tentativa de recuperação, a saúde desejável. A verdade, porém, é que se as moléstias forem passageiras, sararão com os cuidados médicos e remédios receitados, às vezes, até com chás caseiros; mas, em se tratando de doenças que são provações de resgates do espírito, para liquidação de dívidas perante a Lei Divina, tornam-se elas necessárias ao reequilíbrio espiritual do doente. Os cuidados da ciência médica, os tratamentos espirituais podem melhorar o estado do doente, dando-lhe a esperança e a resignação, mas não vai alterar a situação satisfatoriamente, e a doença seguirá seu curso, a não ser que haja o merecimento ou a misericórdia divina a se manifestar. Nos casos de resgates, os Espíritos Protetores não poderão também eliminar os motivos que impedem a recuperação do doente, para não prejudicá-lo, ao invés de ajudá-lo como muitos pensam. Meditem os doentes de que a ocorrência de doenças sérias é sinal certo de que estão sendo impulsionados para a libertação espiritual, transpondo obstáculos no caminho da evolução. Auxiliemos o processo, cuidando do corpo “o jumentinho da alma”, como dizia Francisco de Assis, aceitando o que não pode ser modificado e nem se torturando em busca de um restabelecimento que nem sempre pode se dar, nem convém que às vezes seja dado, para não aumentar a dívida, e não vamos julgar a doença uma infelicidade, um mal irreparável, quando na verdade é a quitação com a Justiça Divina, ou foi escolhida por nós mesmos, ao retornar a nova existência na Terra. Considere o sofredor, como é imensa a bondade de Deus que, conhecendo nossa fraqueza e atendendo nossas súplicas, nos permite a assistência e consolações espirituais atentas e carinhosas, não só por parte dos nossos entes queridos na Terra, como também dos desencarnados afins e dos protetores espirituais. Por isso Jesus disse: “Bem-aventurados os que choram porque serão consolados”, prometendo compensações quando falou aos sofredores. Você, prezado irmão/irmã, deve acreditar nas palavras de Jesus. Há alguns anos conheci um menino que viveu até os 18 anos, tetraplégico, mudo, praticamente incomunicável com o mundo exterior. Vivia ele sob os cuidados da sua mãe que zelava por ele como se ele fosse à coisa mais preciosa do mundo. Somente seus olhos, com o brilho da vida que palpitava em seu interior, se expressava cheios de mensagens e significados. Nascendo já com todos os limites e motivos para desistir da existência, ele lutou e sobreviveu por alguns anos. Contra todas as expectativas médicas e fisioterápicas, conseguiu ele desenvolver alguns movimentos e articular alguns sons, como comunicação com seus pais. A alegria espontânea, transparecendo no brilho dos seus olhos, era vida que transbordava de sua alma, como a dizer a todos nós ao seu redor: “Vejam, não posso nada, dependo de alguém, até para coçar meu nariz, mas sou feliz porque posso aprender alguma coisa com a vida.” Eu ficava imaginando quando o visitava que, se ele pudesse falar perguntaria: “Como é caminhar pela rua em dia de sol, tomar banho de chuva, trocar a própria roupa? Como é falar ao telefone, fazer um carinho, pintar uma tela, sentir o vento no rosto? Como é cantar uma música ou andar de bicicleta; assistir a um filme comendo pipoca? Qual é a sensação quando se olha o firmamento, a lua cheia, andar de carro ou pentear os próprios cabelos? Lembro também de uma senhora idosa chamada Vicentina que durante a sua vida útil serviu a várias famílias e quando ficou impossibilitada de trabalhar, por motivo de doença, e por não ter parentes que a acolhessem na capital, foi internada no Asilo de Mendicidade, onde permaneceu por muitos anos acamada, por estar paralítica e cega, e que era de uma humildade e resignação nunca visto em outra pessoa. Para ela tudo estava bem e bonito, e tratava as pessoas com tanta amabilidade que nos comovia, apesar de todo o seu problema. Ao lembrar-me disso, percebi o valor de tudo aquilo que muitas vezes não somos capazes de reconhecer como bênçãos em nossas existências e que só realmente valorizamos quando as perdemos. Quantos de nós vivemos nos queixando de tudo e desprezando as chances de realizar algo de útil, desperdiçando nosso tempo em atividades fúteis que nada nos acrescenta. Aquele jovem e aquela idosa, mesmo diante de sua terrível prisão orgânica, vivendo somente uma vida interior, sem sofrerem a tortura de uma consciência alucinada, qual um alcoólatra ou um drogado. Porém, uma coisa o dependente tinha como vantagem sobre a situação daqueles dois imobilizados. Ele podia sair da situação na hora que quisesse; podia recuperar sua liberdade e dignidade; era só querer e lutar. Lutar pela própria existência que desprezava. Para isso ele precisava apenas saber o quanto é importante usufruir, a saúde e a existência. A autodestruição tem um saber amargo, enquanto a autolibertação tem um saber divino. Todos nós somos capazes; todos nós podemos conseguir... só depende de querermos, de lutar para melhorar ou mudar. É importante refletirmos na função educativa do sofrimento num planeta em que há predomínio dos interesses materiais, em detrimento da busca espiritual. Como terapeuta dos nossos tormentos, o sofrimento tem um especial papel no processo de crescimento do ser humano a caminho de Deus. Muito embora vivamos orientados para o sucesso material, há em todo ser reencarnado um estímulo ao que é divino e superior, e é por isso que vibra em todos nós um forte impulso de amor e um sincero desejo de realizarmos o que é essencial, afastando-nos do que consome nossas forças nas experiências terrenas. Aos poucos vamos percebendo que o sofrimento é um mecanismo da inteligência superior do Universo – Deus, a fim de lembrar constantemente Sua criação, (ser humano) do verdadeiro sentido da existência. O sofrimento não é imposto por Deus como meta de equilíbrio, sua intensidade e duração, foi ele escolhido por cada criatura antes de reencarnar. Ensina-nos um pensador da ciência psicológica que “o sofrimento é sinal da disponibilidade de energia para transformar situações; é a maneira que a razão tem de indicar uma atitude ou comportamento errado e, para a pessoa que não é revoltada, cada momento de sofrimento é uma oportunidade de crescer”. Não seria interessante, então, mudarmos nossa forma de interpretar o sofrimento? Em vez de usarmos a queixa e/ou a revolta no momento de aflição, de dificuldade no caminho evolutivo, não seria melhor ponderar “O que devo mudar?” Entendendo a dor e o sofrimento como mecanismos de profunda reflexão do ato de viver, quando ele se aproximar, vejam as mudanças necessárias antes que a aflição se instale em nós, para que não seja atormentado o presente e complicado o futuro. Nós somos os causadores de nossos infortúnios, porque recusamos atender o chamado divino e uma existência com mais consciência e dentro das leis do Senhor. O ponto em que nosso planeta se encontra como mundo-escola, em contínuo avanço, nos convoca a uma renovação de padrão mental, a refletir-se em atitudes novas, mais justas e caridosas. Enquanto permanecermos numa existência de interesses próprios, o entendimento de Vida Eterna ficará adormecido. Mas, a partir do instante em que nossa existência se amplia, o entendimento de Vida Eterna se aplica ao cotidiano, nos gestos simples que movimentam nossos dias, na descoberta de recursos valiosos para o progresso de todos, transformando experiências em lições preciosas para o nosso Espírito imortal. Às horas de intranqüilidade que marcam o ponto evolutivo da Terra, sucederão períodos de muita paz, e toda pessoa que já aceitou o sofrimento como mensageira da mudança do espírito para uma situação melhor, desfruta desde logo, do justo crescimento das almas que sabem converter lágrimas em esperança. Como forma de esclarecimento nos caminhos de luz, é preciso compreender que são “bem-aventurados os que choram”, que aceitam o sofrimento com resignação; que diante do sofrimento, não perguntam: “Por quê?”, e sim: “Para que?” O sofredor a que se refere Jesus, é o dos corações que sabem que é bem melhor quitar, que prorrogar com mais dívidas, o seu débito para com a Justiça Divina; é reconhecer que com o Mestre a dor é benção e progresso. Assim, o sofrimento tem a marca abençoada da redenção. Esses que assim aceitam são como bem disse Emmanuel: “os que recebem o sofrimento transitório da existência terrena, por bendita e honrosa oportunidade de crescimento, com bondade e paciência, resignação e esperança”. O sofrimento nos restaura, abrindo portas para o amor, que nos equilibra e nos alerta, como a nos dizer que o mundo é um lugar de passagem e não o fim da jornada da vida. Cabe-nos, portanto, realizar nele o melhor que pudermos. Evitar todo tipo de agressão a si mesmo, aos semelhantes e ao meio em que vive. Estamos em processo de evolução a caminho de Deus, nosso Pai Celestial. Bendita é a dor que nos arranca da indiferença e nos faz seguir as leis do Senhor, passando a viver em função dos Seus propósitos e amor e bondade. A Terra passa por momentos difíceis, de aferição dos nossos valores. Jesus convoca-nos a fazer parte das fileiras do Bem, para trabalharmos com Ele na implantação de um reino de Paz, que se inicia no coração de todo aquele que já se cansou das tentações do mundo e se compromete de vez, com o plano Divino. Atendamos ao Seu chamado e veremos multiplicada a alegria que nos falta, porque o ser humano que segue o caminho da luz, já não mais vive para si; vive para a glória do Pai, na benção da Vida Eterna. A posição espiritual de cada um de nós está na razão direta da permanência do sofrimento em nosso viver... Isso nos faz concluir que AMOR E SOFRIMENTO são mecanismos que funcionam em situações independentes: Sabemos então que, quando um se aproxima de nós, o outro se afasta... Se Deus é o Pai de infinita bondade e justiça, não pode Ele agir com parcialidade. As vicissitudes da existência têm assim uma causa, e, uma vez que Deus é justo, o sofrimento também deve ser justo. Jesus nos prometeu as compensações e o “Consolador” prometido por Ele, que é a Doutrina dos Espíritos, vem revelar as causas das aflições. Elas têm duas fontes bem diferentes; uma na existência atual, e a outra em existências anteriores, onde contraímos as dívidas. As da existência atual são resultados da nossa imprevidência, do nosso egoísmo, da nossa falta de caridade e amor para com nossos semelhantes, da nossa ambição. Quantas uniões infelizes realizadas que nada tem com o coração; quantos males e enfermidades, conseqüências de excessos de todos os gêneros; quantos pais infelizes com seus filhos, porque não combateram suas más tendências quando ainda eram crianças; quantas pessoas arruinadas por má conduta... Que todos aqueles que passam por sofrimentos interroguem a consciência, e verão se não podem dizer: Se eu tivesse ou não tivesse feito tal coisa, eu não estaria hoje em tal situação. Ha males que achamos estranhos e que parecem nos atingir por fatalidade, cuja compreensão somente a Doutrina dos Espíritos sabe explicar. O ser humano nem sempre resgata suas faltas na mesma existência, embora não escape jamais da Lei Divina. Os sofrimentos que fizemos os outros passarem, teremos que passar também, e ainda com acréscimos. Assim, o que causou aleijão ao seu semelhante poderá voltar aleijado; o que usou mal a fortuna poderá voltar em extrema miséria; o que foi orgulhoso voltará em condição humilhante; o que usou mal a palavra pode voltar mudo; o que usou mal os olhos pode vir sem a visão, e assim por diante. Nas várias existências, vamos resgatando nossos débitos para com nossos semelhantes e a Justiça Divina, e, para os que sofrem com resignação é que Jesus afirmou: “Bem-aventurados os aflitos porque serão consolados”. Entretanto, nem todas as aflições e sofrimentos são resgates de dívidas, porquanto muitos Espíritos já com maior evolução espiritual, aceitam as provas da existência terrena, sofrendo todas as dores e dificuldades com humildade, resignação e sem lamentações, como missão de exemplo de vida aos outros e na sua própria melhora espiritual. Eis a resposta para os casos que mencionei acima, do jovem e da idosa. Todas estas orientações e muito mais outras, sobre os “porquês” da nossa existência terrena, podem ser encontradas no livro “Evangelho Segundo o Espiritismo”. Que a Paz do Senhor nos assista na nossa existência. Bibliografia: Evangelho de Jesus “Evangelho Segundo o Espiritismo” Jc. S.Luis, 01/2001 Refeito em 15/9/2012