sexta-feira, 21 de junho de 2013

BENEDITA FERNANDES





 Ela foi um marco na história dos hospitais espíritas. Oitenta anos de funcionamento de um hospital, em atividades ininterruptas, iniciada por uma pioneira espírita, é fato deveras marcante. Este ano transcorrem 130 anos do nascimento de sua fundadora, Benedita Fernandes, vulto que colaborou para a construção de uma das marcas que caracterizam Araçatuba (SP), quando a cidade tinha apenas 20 anos de existência. Ela fundou uma obra assistencial que sensibilizou a população e começou a registrar de forma concreta a prática da benemerência, da solidariedade e da orientação espiritual.
 Benedita Fernandes nasceu em Campos Novos da Cunha (SP), num povoado entre             Guaratinguetá e Parati, nos altos da Serra do Mar, no dia 27 de junho de 1883, e desencarnou em Araçatuba no dia 9 de outubro de 1947. Sabe-se o mínimo sobre sua família, pois Benedita perdeu o contato com ela em virtude de seu desequilíbrio mental/espiritual. Pela sua cor e considerando-se a região de seu nascimento, certamente ela era descendente próxima de escravos.
Nos anos de 1920, ela foi curada da subjugação espiritual por um carcereiro da cidade de Penápolis (SP), que era espírita. A partir daí, ocorreu profunda transformação na sua existência. Ela chega a Araçatuba com o propósito de trabalhar pelo próximo e, no então Patrimônio de Dona Ida, atual bairro Santana, juntamente com outras lavadeiras – pessoas simples e de pouca instrução – deu início ao atendimento a pessoas, na época, consideradas “loucas”, e a crianças abandonadas.  No dia 6 de março de 1932, fundou a Associação das Senhoras Cristãs que originou o atual Hospital Benedita Fernandes. Surgia a primeira obra assistencial espírita da cidade e da região, bem como um dos marcos históricos do Movimento Espírita.
Durante os 20 anos de sua profícua atuação assistencial e espírita naquela cidade, Benedita manteve também a Casa da Criança, o Asilo Dr. Jaime de Oliveira, o Albergue Noturno e as Escolas Mistas, todos funcionando na Rua Newton Prado, próximos ao lugar onde está situado o atual Hospital. Também foi pioneira nos esforços de união dos espíritas, com a fundação da União Espírita Regional do Noroeste, nos idos de 1942, ação antecessora da movimentação que gerou a fundação da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, em 1947.
Benedita conquistou o respeito e a admiração do povo e das autoridades, de políticos locais e de governadores do Estado. Ela era muito procurada por pessoas que recorriam à sua assistência espiritual e autoridade moral, que conquistou pelo trabalho dedicado e desinteressado aos semelhantes. Depois de prestar um atendimento domiciliar à nossa bisavó materna nos idos de 1939, conta Antônio Cesar Perri de Carvalho, alguns de nossos familiares foram visitar as obras de Benedita, até como gratidão pela assistência espiritual recebida e entre outras observações “viram uma doente mental toda contorcida
que ao ouvir as palavras de Benedita, alusivas à fé e à bondade de Deus, juntou as mãos como se estivesse orando”.
No Movimento Espírita, Benedita tinha amizade e contato, nos anos 1930, com Cairbar Schutel, que publicava noticias sobre as suas obras em “O Clarim”, e, na década seguinte, com Leopoldo Machado – um dos grandes líderes espíritas do País -, que escreveu várias vezes sobre ela, principalmente no citado periódico. Num desses artigos, Leopoldo faz registro importante de um depoimento de Benedita:  Houve um tempo em que meus passes e minha água fluídica andaram curando muita gente. Quase me canonizaram por isso! Minha santidade crescia á medida que as curas se operavam. E eu, embora passando por santa, já não tinha as mesmas horas livres para tratar de minhas crianças, de meus obsidiados. Acontece, ainda, que os doentes só pensando na sua cura, egoisticamente, em si mesmos,  não aceitavam explicações, não respeitavam horas de consultas. Acabei com a santidade e com os passes e água fluídica, vendo meus amigos, que ser santa é o diabo!...
Frases simples e de efeito, mas com fundamentação doutrinária, surgia sempre, o que refletia sua lucidez espiritual. Certa vez em visita à Fundação Pestalozzi, em Franca (SP), no ano de 1979, o médico e educador Tomaz Novelino relatou-nos que ele e Benedita estiveram presentes a uma reunião sobre tratamento de doentes mentais. Na oportunidade Benedita, fazendo referência à “moda da época”, de que o obsidiado deveria desenvolver a mediunidade, arrematou sabiamente:  “ao invés de desenvolvidos, vão é acabar envolvidos...”  A lucidez doutrinária da pioneira pode ser comprovada com a leitura do capítulo “Dos inconvenientes a perigos da mediunidade”, de o Livro dos médiuns.
Por outro lado, a título de contribuição para as reflexões, principalmente dos dirigentes espíritas, destacamos que o exemplo marcante da pioneira e a expressão de suas obras não impediram que ocorressem momentos de dificuldades e até de tentativas de deturpação de suas obras. Anotamos a preocupação em artigo escrito, após a superação dos problemas: “Os vários tipos de crises que o Sanatório Benedita Fernandes passou nos últimos cinquenta anos sugerem algumas reflexões sobre as instituições assistenciais em geral.  Sem considerar a complexa questão da administração de instituições, como os hospitais que envolvem várias nuances eminentemente técnicas, no momento, é oportuna a avaliação doutrinária também para o movimento espírita. Em absoluto não estamos criticando, mas realizando uma análise depois de ponderável período de tempo. Esse não é o primeiro caso conhecido,  em que o labor assistencial, desvinculado do Centro Espírita
 apresenta problemas sérios.  Há situações que a obra chega a se descaracterizar. Assim, é sempre cabível a discussão sobre os objetivos reais das instituições espíritas e sobre suas formas de engajamento nos labores de construção de uma sociedade em novas bases e a ação sincrônica e fraternal com o movimento espírita”. 
Desde nossa juventude, continua Antônio, nutrimos admiração por seu vulto e divulgamos, logo após o aparecimento, a psicografia de Chico Xavier, de 1963, intitulada “Num domingo de calor”, assinada pelo Espírito Hilário Silva, referente á Benedita Fernandes, na qual ela é chamada de “abnegada fundadora” e “mulher admirável”. Em 1967, propusemos a comemoração dos 20 anos de sua desencarnação e, em março de 1982, promovemos a “Semana Benedita Fernandes”, patrocinada pela então União Municipal Espírita de Araçatuba, com palestras alusivas ao Jubileu de Ouro da obra da homenageada, nas dependências do Sanatório, nos Centros Espíritas da cidade, e oferta de painel, alusivo à obra de Benedita, no Museu local. Na oportunidade, lançamos o nosso livro “Dama da Caridade”, biografia da homenageada, editado pela União Municipal Espírita de Araçatuba.
Surgiram mensagens de Benedita, psicografadas por Dolores Bacelar – dirigente e médium que atuou na cidade do Rio de Janeiro - , que nos relatou episódios interessantes, relacionados com o trabalho da seareira paulista; e também por Divaldo Pereira Franco, inclusive no ambiente de nosso lar, ainda em Araçatuba. Os exemplos de Benedita e as mensagens espirituais de sua autoria foram utilizados por muitos expositores, entre eles, Mário da Costa Barbosa, que trabalhou na área de assistência social espírita nos Estados de São Paulo e do Pará.
Há muitos anos já havia referência à atuação espiritual da pioneira em várias regiões do País e conhecemos instituições que a homenageiam, designando-se Benedita Fernandes, em cidades de São Paulo, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará.
A mulher simples e humilde se transformou num marco na cidade de Araçatuba e região, e numa das referências históricas dos hospitais espíritas!


Bibliografia
Antônio Cesar Perri de Carvalho
Revista “Reformador” – 03/2013
+ Pequenas modificações.
Jc.

ÁGUA, UM TESOURO DA NATUREZA





 A água no estado líquido cobre 70% da superfície do planeta. Deste total, 97% estão nos mares e oceanos, sendo águas de elevada concentração de sais, sobretudo de cloreto de sódio; 2% estão nas geleiras eternas (situadas nos polos e cordilheiras), e 1% nos rios, lagos e reservatórios subterrâneos. Da pequena parcela de água doce disponível, apenas 0,26% é indicada para o consumo humano. Neste contexto, o Brasil é um país privilegiado, pois possui entre 12 e 15% da reserva de água doce do planeta.
A água é um mineral constituído de dois átomos de hidrogênio (H) e um de oxigênio (O), formando a molécula H20. A despeito da simplicidade da molécula, as propriedades da água são, praticamente, ilimitadas, destacando-se a capacidade de dissolver um número significativo de substâncias, condição que a classifica como solvente universal. Esta propriedade é fundamental para o surgimento e a manutenção da vida. No sangue, por exemplo, várias substâncias, como sais minerais, vitaminas, açúcares, entre outros, são transportadas e dissolvidas na água. O corpo humano possui aproximadamente 80% de água.
Para atender a esta e outras inúmeras finalidades, a água é usualmente encontrada nos estados sólido, líquido e gasoso, passando facilmente de um estado físico para outro, conforme as circunstâncias e necessidades. O Ciclo da Água ou (Ciclo Hidrológico), é um movimento contínuo que vêm se efetuando ao longo das eras. Este Ciclo pode ser assim resumido: 1- a evaporação de águas líquidas (rios, lagos, lagoas, mares, regiões glaciais, lençóis de gelo, vegetais e transpiração dos animais) da superfície planetária que adquirem a forma de vapor d’água; 2- agregação dos vapores de água e formação de nuvens na atmosfera; 3- condensação dos vapores de água nas nuvens que ficam eletricamente carregadas; 4- esfriamento da atmosfera no local onde estão as nuvens; 5- precipitação da água das nuvens na forma de chuva; 6- retorno da água aos reservatórios naturais do Planeta, infiltrando-se uma parte no solo para formar e alimentar os lençóis freáticos (ou subterrâneos); 7- brotamento de águas subterrâneas para a superfície, nutrindo nascentes de fontes e rios.
Com o passar do tempo, o Ciclo da Água estabilizou-se, fornecendo condições ideais para o surgimento da biodiversidade das espécies. Entretanto, é lamentável constatar que, na atualidade, graves problemas interferem diretamente no funcionamento desse Ciclo, afirmam cientistas e estudiosos do mundo inteiro. Áreas imensas dos solos foram impermeabilizadas por construções de casas, calçadas e ruas asfaltadas nas grandes cidades. Reservas como piscinas, barragens, caixas d’água e cisternas impedem a infiltração da água no solo e o reabastecimento de aquíferos (grandes reservatórios de água que ficam em camadas profundas do solo).
 Associa-se a essa intranquila situação o uso indiscriminado (e excessivo) de água nas irrigações agrícolas e pecuárias, assim como no consumo individual e coletivo. Em razão da gravidade do assunto, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), através da Resolução 47/193, de 21 de fevereiro de 19993, declarou o dia 22 de março, de cada ano, como o Dia Mundial da Água, integrando um dos itens da Agenda 21 – um dos principais resultados da conferência Eco-92, ocorrida no Rio de Janeiro, em 1992. Esse documento estabelece o compromisso de cada país refletir, global e localmente, sobre a forma pela qual governos, empresas, organizações não governamentais e todos os setores das sociedades poderiam cooperar na solução de problemas socioambientais.
O consumo abusivo de água é outro fator complicador. Por exemplo, na África o índice de disponibilidade de água é muito crítico, considerando que a média diária de consumo por pessoa, é de 10 a 15 litros, enquanto que na cidade de Nova Iorque um indivíduo chega a utilizar e consumir dois mil litros de água por dia. Um amplo processo de conscientização ecológica precisa ser desenvolvido no mundo, sobretudo quando se constata que 35% da população mundial têm escasso acesso à água. Pela educação, chegará o dia em que a mentalidade humana saberá preservar  a água como tesouro da Natureza e terá alcançado a compreensão de que a água, como fluido criador, absorve em cada lar, as características mentais de seus moradores... pode ser nociva nas mãos perversas, útil nas mãos generosas, e, quando em movimento, sua corrente não só espalhará bênção de vida, mas constituirá igualmente um veículo da Providência Divina, absorvendo amarguras, ódios e ansiedades dos seres humanos, lavando a casa material e purificando-lhes a atmosfera íntima.
Precisamos colaborar com a Natureza, e a melhor maneira é começar a poupar o líquido que nos é precioso, e para isso, vamos utilizá-la nas nossas necessidades, economizando o máximo possível. Nunca deixe a torneira   derramando água enquanto lava as mãos, utensílios e animais ou mesmo o chuveiro quando estiver banhando. Mesmo sabendo que é você mesmo quem paga a conta da água, lembre-se de ser fraterno com as outras pessoas que também necessitam desse precioso líquido para a existência. Sua colaboração é indispensável para que as pessoas do futuro, que bem podem ser seus filhos ou netos, possam também usufruir do benefício que a água proporciona a todos os que estão neste Planeta.
Mais informações sobre o assunto veja o artigo:  “A Água, os Alimentos e o Ar”.
Bibliografia
Marta Antunes Moura
Revista “Reformador” – 03/2013

Jc.
S. Luís, 20/6/2013