sábado, 13 de dezembro de 2014

COMEMORAÇÕES DO NATAL E DO FIM DE ANO




 Cerca de 80% das pessoas se sentem mais tensas nessa época; algumas ficam eufóricas outras ficam deprimidas, segundo pesquisa feita pela associação que estuda o estresse. Para a psicóloga Iracema Teixeira, o principal motivo são os excessos que marcam o mês repleto de festas e gastos extras. Mas, não devemos ficar nervosos; vamos contornar a irritação típica da época.
A cobrança nos chega pela pressão das compras, fechamento de projetos profissionais e frustrações sobre planos pessoais, que são os grandes fatores que geram o estresse de final de ano. É um período de grande excitação que acaba nos envolvendo, além disso, as comemorações e os eventos em família podem passar de festa e diversão para cobranças sociais. Tudo sai da rotina e todos se vêm obrigados a cumprir um papel.
São várias festas, várias compras, vários presentes e muito trabalho, resultando em pouco descanso e comida, e gastos em excesso. Crie forma de desacelerar a agitação e aprenda a dizer “não”, priorizando as comemorações nas quais quer participar e os presentes que irá comprar. Outra dica é encarar todas essas situações de Natal e fim de ano como uma oportunidade de lazer.
Aproveite para confraternizar com os amigos e familiares, e usufruir os momentos gratificantes, mesmo que simples. Porém, se você ficou muito estressada/o, coloque um banquinho debaixo do chuveiro e deixe a água cair sobre você para relaxar. Não deixe de beber muita água e procura momentos de pausa para relaxar, e, se possível, evite o excesso de bebida alcóolica e comidas gordurosas.
Neste período que antecede o Natal, muitas pessoas praticam ações pontuais de caridade, como doação de brinquedos a crianças, cestas básicas aos necessitados, outras pessoas participam em campanhas de fraternidade.
Se você quer participar da corrente do bem, procure alguma Instituição confiável e leve seu apoio, imitando os Magos que foram levar presentes ao menino Jesus. Outra diga é se cadastrar como Voluntária/o numa entidade beneficente que atenda crianças ou idosos desamparados. “O voluntário está contribuindo para tornar o mundo melhor e fraterno, sempre gerando satisfação por estar fazendo a diferença”.
Existe ainda uma Campanha dos Correios que ajuda a tornar realidade o sonho de Natal de muitas crianças, e para participar, basta ir a uma agência mais próxima, escolher a carta que mais lhe comoveu.
O Natal, antigamente uma festa de religiosidade e sentimento, hoje se transformou numa festa de comes e bebes, onde o que menos se constata é a satisfação pelo nascimento de Jesus, as encenações do Presépio, trocado pela fantasia do papai-noel, símbolo do consumismo.
Vivamos o verdadeiro sentido do Natal;  vamos abraçar e desejar aos nossos familiares e amigos, um Novo Ano de Paz, Harmonia e Saúde, e que os habitantes deste mundo sejam mais fraternos e caridosos...

Fonte:
Revista Malu – 12/2013
+  Modificações e acréscimos.

Jc.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

MENSAGENS E ORIENTAÇÕES




  O silêncio ajuda sempre;
Quando ouvimos palavras infelizes; quando alguém está irritado;
Quando a maledicência nos atinge; quando a ofensa nos golpeia;
Quando alguém se encoleriza; quando a crítica nos fere;
Quando escutamos uma calúnia; quando a ignorância nos atinge;
Quando o orgulho nos humilha; quando a vaidade nos provoca.
Que o nosso silêncio e a gentileza do perdão aguarde e espere o tempo passar...                                                      Meimei

Todas as coisas na Terra passam;
Passam os dias de dificuldades, de amarguras e solidão;
Passam as frustações que nos fazem chorar... um dia, passarão;
Passam as dores e lágrimas; a saudade de um ente que se foi;
Passam os dias de tristeza e felicidade;
São lições necessárias que passam deixando em nosso Espírito,
As experiências acumuladas. Se hoje, para nós, é um desses dias, paremos um instante... Elevemos o nosso pensamento ao Alto e busquemos a voz suave da Mãe amorosa, a nos dizer carinhosamente: “Tudo isso passará”. E, guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal algum que dure para sempre...                                    Chico Xavier

Nunca mude a sua essência só para agradar as outras pessoas. É mais importante ser você mesmo do que ser alguém estranho moldado pelos outros...                                  Marcos Rosale

Uma criança não precisa de um celular; ela precisa desenvolver a criatividade e não aprender a digitar; a criança precisa aprender a dialogar e não enviar mensagens; a criança precisa brincar na natureza e não se converter em um robô colado a um celular; a criança precisa de atividade física e não de ficar sentado com um  tablete na mão; a criança deve aprender a expressar emoções e dialogar... e não enviar E-mail ou fotos com carinha triste ou alegre.

Qualquer homem pode fazer um filho, mas é preciso ser honesto e
poder dar bons exemplos para ser considerado um bom pai.

“Saudade é uma coisa que não tem medida; é um vazio que só se pode preencher com a lembrança”. Quando a saudade é demais, não cabe no peito; ela escorre pelos olhos.

Amar alguém não é só dizer “Eu te amo”; é, principalmente, demonstrar esse sentimento por ações sem que seja preciso palavras...

O líquido mais indicado para se ingerir qualquer tipo de medicamento é a água. “Isso porque alguns remédios provocam reações químicas quando ingeridos com sucos, leite, chás refrigerantes, que podem comprometer a sua eficácia. Um exemplo são os antibióticos com tetraciclina na composição – essa substância reage na presença de cálcio, tendo e sua eficácia comprometida se ingeridos com esses outros líquidos”.

“A família é, antes de tudo, um laboratório de experiências reparadoras, no qual a dor e a felicidade se alternam programando a paz futura”.                                           Joanna de Ângelis

 Um dia uma pessoa me disse que se sentia feliz por ser cego, e eu lhe perguntei a razão. Ele então me respondeu: “Porque tenho a vantagem de conhecer as pessoas pelo que são e não pelo que elas aparentam ser”.

A mais agradável lágrima é a da saudade, pois ela nasce dos risos que já se foram; dos sonhos que não acabaram e das lembranças que jamais se apagam.                          Marcos Rosalle

“O que eu faço de caridade, só eu e Deus somos sabedores. Fui ensinado de que a caridade com propaganda é orgulho e vaidade”.

Você acredita que tudo que acontece tem uma razão? Saiba então que todas as pessoas que conhecemos têm um papel, seja grande ou pequeno. Algumas irão nos machucar e fazer chorar para nos fazer mais fortes; outras irão nos dar lições, não para nos mudar, mas para tomarmos consciência dos nossos erros e nos ajudar a evoluir, fazendo de nós melhores pessoas. Algumas irão simplesmente nos inspirar e nos amar, para nos fazer felizes...

Antes de julgar alguém, tenha a certeza de que você é perfeito...

“Ninguém é tão pobre ou incapaz, que não possa transformar o amor que sente, num gesto que reergue ou numa ação que console”.                                                            Scheilla

A prepotência nos faz forte por um dia; a humildade nos faz forte a existência inteira!

Pessoas perfeitas na Terra não existem. Somos apenas seres humanos procurando por alguém que aceite nossas imperfeições.

Nosso maior presente é poder acordar e desfrutar de tudo o que a existência tem a nos oferecer.  E a cada manhã, temos que  recomeçar... Que não nos falte saúde, sabedoria, amor e fé!

“Nosso problema será sempre construir na própria alma, a perfeição que reclamamos em outros”.                Emmanuel

O tempo decide quem você vai conhecer ao longo da sua existência... O coração decide quem você quer na sua convivência... Mas são as atitudes quem decidem os que irão permanecer ao nosso lado.

“Sem a perseverança, a educação não pode realizar a iluminação das consciências”                               Emmanuel

A pior ditadura não é a que oprime pela força, mas sim pela carência, fazendo o ser humano refém das suas necessidades...
                                                         Júlia Lúcia + modificações

“A melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros”.                                                     Confúcio

“A existência terrena pode ser comparada a uma viagem. O corpo é a embarcação, o pensamento é a força, a língua é o leme”.      
                                                                           Emmanuel

Não estrague o teu dia.  Não acredite que a Lei Divina possa te privilegiar em detrimento de alguém. O que te acontece é consequência dos teus atos, pois és responsável pelas tuas ações. Quanto mais praticares o bem, mais efeitos positivos te serão acrescidos. Estais sempre criando em torno de ti, um campo magnético, atraindo ou repelindo forças. Assim, o retorno da menor de tuas atitudes te procura e te encontra, onde quer que te encontres. Assim, repara ainda hoje, o erro que cometestes, impedindo que ele cumpra o seu ciclo e volte para ti, acrescido de vibrações negativas acumuladas. As trevas só podem ser anuladas pelas luzes e não te irrites, pois tua irritação não vai solucionar nada, nem tuas contrariedades vão alterar a natureza das coisas, nem as tuas dores vão impedir que o sol, amanhã, volte a brilhar sobre os bons e os maus, nem as tuas lágrimas vão substituir o suor que deves verter em teu próprio benefício. Viva em paz, tenha sempre um bom dia e procure sempre fazer e ser feliz. Não estrague o teu dia...

O invejoso é assim:  Ele quer tudo o que você tem, mas não quer passar pelos esforços que você teve, nem pagar o preço que você pagou.  Senhor livra-nos dessas pessoas...

Podia ser pior. O médium Figueira era espírita de grande serenidade. Certa feita, um amigo, que ele não via há muito tempo lhe visita em casa e, depois das saudações habituais, dá noticia do seu pessimismo. Declara-se ausente de toda atividade doutrinária, embora continue espírita de convicção, mas afastou-se das sessões e dos trabalhos. Inquirido por Figueira, ele começou a explicar: - Imagine você que minha infelicidade começou quando o meu sócio conseguiu furtar-me quase tudo o que eu possuía. Fui um terrível desastre... Figueira falou preenchendo a pausa: - Mas podia ser pior!  Continuou o amigo:  Imagine que me estabeleci com pequena loja  e meu único empregado ateou fogo a tudo, após roubar-me...   - Figueira atalhou: - Podia ser pior!  - O amigo continuou: O meu azar não ficou aí, pois, a minha companheira quando me viu sem qualquer recurso, me abandonou pela companhia de outro homem...  – Podia ser pior!  Depois disso, minha única filha que ainda estava ao meu lado, foi seduzida por um homem, desprezando-me com amargas palavras...  – Podia ser pior!  -  Por fim, meu irmão que ainda me dispensava proteção, foi assassinado por um bandido que escapara á cadeia...  – Mas podia ser pior...  O outro falou mal-humorado:  Ora essa! O que podia ser pior?  Dois ladrões acabam com meus negócios, dois malandros me acabam com a família e um assassino me acaba com o único irmão... Que podia ser pior, Figueira? – O prestimoso médium respondeu calmamente: - Podia ser pior, sim, meu amigo!  - Podia ser você o autor de todos esses crimes; entretanto, você está aqui comigo, de consciência pura e de mãos limpas. Sofrer dos outros é, de algum modo, trilhar o caminho que Jesus transitou; agora fazer sofrer os outros é outra coisa...  O amigo ficou por algum tempo a pensar e ao se despedir de Filgueira, rogou o benefício de um passe, pois realmente podia ter sido pior...           ( Hilário Silva )
                                                          
Sementes. Um dia um homem entrou numa loja e viu um anjo atrás do balcão.          Maravilhado com aquela visão, perguntou: “ Anjo o que vendes?” – O anjo respondeu: “Todos os dons de Deus.” O homem voltou a perguntar:   E custam caro?” – O anjo respondeu: “Não, é de graça, basta escolher.”  O homem feliz, correu os olhos pela loja, e viu jarras de fé, pacotes de sabedoria, caixas de felicidade... Ele poderia adquirir tudo aquilo. Então ele disse ao anjo:  “Por favor, embrulhe para mim, bastante felicidade, abundante perdão, amor ao próximo, muita paciência e tolerância...”  O anjo anotou e foi separar os pedidos, e, retornando entregou-lhe vários pacotinhos. O homem espantado, indagou: “Como pode você  me dar apenas estes pacotinhos; eu quero levar uma grande quantidade dos dons de Deus.”  - O anjo então respondeu: “querido amigo, na loja de Deus nós não vendemos os frutos, apenas damos as sementes...”
Que você receba muitas sementes e que elas frutifiquem por muitos anos, te fazendo muito feliz.            (Autor desconhecido)  
“Cada dia que vivo mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional”.           (Carlos Drummond de Andrade)
Apesar de todas as tempestades que nos trazem dificuldades, de todos os tropeços, de todas as lágrimas, não devemos deixar de acreditar que algo bom, depois de tudo, está por vir...
Quem gosta mesmo de você, aguenta suas manias, suas crises, suas reclamações, seus momentos de tristeza, desculpa tudo e permanece sempre ao seu lado...                             Ana Fahd
Senhor... cuida da minha mente para ter apenas pensamentos de paz;  cuida dos meus olhos para que só veja bondade; cuida dos meus lábios para que fale palavras de gratidão; cuida das minhas mãos para que ajude a quem precisa; cuida dos meus pés para que ande servindo. Por fim, cuide do meu coração e me ensine a agradecer, perdoar e amar mais.  Sei que os meus dias ruins são necessários para que os bons dias sejam bem vividos... 
                                       Marciano Barbosa + pequenas alterações.
Quando acordar, agradeça a Deus pedindo um Bom-dia. Respire fundo e diga: - Hoje o meu dia será de paz, harmonia e saúde. Se você vive com mais alguém, dê um bom-dia para todos; mas que esse bom-dia não seja mecânico. Coloque sentimento nele e que seja dito com o coração para modificar o dia de qualquer pessoa. Experimente!  Se encontrar alguém preocupado e triste, mesmo que não o conheça, dê o seu bom-dia com carinho para ajudar. Toda vez que você acordar, peça a Deus que o seu dia seja sempre um Bom-dia...               Paulo Roberto Gaefke + modificações
Meu Deus...  O dia terminou; algumas coisas deram certo, outras não; mas sabemos que tudo aconteceu de acordo com o vosso determinismo. Amanhã, que o meu dia seja abençoado; que eu tenha saúde e disposição para as atividades  e não me falte a vossa proteção, para cumprir com abnegação as minhas obrigações diárias indispensáveis.  
Divaldo Franco, disse certa vez que o que ele tem (bens materiais) ele deixa, porém, o que ele conquista (aquisições culturais e morais) ele leva para a Espiritualidade, quando partir da terra.
Joanna de Ângelis disse certa vez que, “somente é solitário quem nunca foi solidário”. 
Não são as coisas bonitas que marcam nossa existência, mas sim, as pessoas  que tem o dom de jamais serem esquecidas!
A sua existência é curta? Então não perca tempo tentando viver a vida dos outros.
“Se nós,  espíritas nos preocupássemos mais em exemplificar as lições que os nossos benfeitores nos transmitem, estaríamos dando à Doutrina que professamos, um impulso extraordinário. Infelizmente, achamos que a vivência desses princípios deve ser com os outros e não conosco”.       Chico Xavier
“Abençoado é aquele que age com o sentimento nobre e mantém nele o amor pelo próximo”.
“O Centro Espírita surgiu para esclarecer, evangelizar e consolar as pessoas”.                                              Chico Xavier

 Nunca perca a esperança... Há momentos na existência em que as situações ficam difíceis, obscuras e confusas, e perdemos o ânimo e a esperança. Porém, com Deus, sempre há esperança e o amanhã será um novo dia. Anoitecemos com problemas e amanhecemos com as soluções. Tenha fé de que mesmo o presente sendo difícil, o nosso futuro com Deus será melhor...
Nada é para sempre; tudo passa com o tempo. Passa a manhã, passa á tarde, passa a noite, passa a madrugada; passas as horas, passam os dias, passam os meses, passam os anos, passa o sol, passa a chuva, passam as águas do rio, passa o vento, passa a tempestade, passa a nossa infância, a juventude, passa o estudo, passa o passeio, passa a viagem, passa a mocidade, passa a esperança, passa a alegria, a tristeza, passa a saúde, a doença,  passam os pais, enfim, passa a existência. Só não podemos deixar passar é a nossa fé em Deus e na nossa destinação como Espírito, aos planos superiores da vida espiritual...

Fonte:
Textos extraídos da Internet
+ Pequenas modificações.

Jc.
São Luís, 8/11/2014             

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

INFIDELIDADE




 A infidelidade não é um desvio de caráter, mas um comportamento-padrão a evitar, afirma um psicólogo após estudar durante alguns anos milhares de casais.
As traições sempre aconteceram em todos os tempos. Clássicos da literatura, como Anna Karenina, de Liev Tolstói, Madame Bovary, de Gustav Flaubert, e O Primo Basílio, de Eça de Queiroz, trataram do poder destruidor da infidelidade. Mesmo assim, pesquisas mundo afora mostram que o número de adúlteros, entre homens e mulheres, só cresce – talvez porque mais pessoas tenha coragem de admitir. Pouco se avançou em tentar explicar as razões que levam à quebra do pacto de confiança e exclusividade, e entender como evitá-la.
Em “o que faz o amor durar” (editora Fontanar), o americano John Gottman, doutor em psicologia e pesquisador na Universidade de Washington, apresenta uma nova forma de olhar para esse desvio. Ao lado da mulher, também psicóloga Julie Schwartz Gottman, ele estuda o comportamento de casais há mais de quatro décadas. Para ele, existe um padrão de comportamento que leva à quebra do pacto, e há muitas formas de infidelidade independentes da temida traição física. “Nossa cultura relaciona a infidelidade a um desvio de caráter ou falta de disciplina, mas isso não é verdade”, diz Gottman. E complementa: “A maioria das traições não é causada pelo desejo sexual, mas sim por alguma carência afetiva”.
Um relacionamento amoroso convencional é um contrato de confiança, respeito e proteção mútua. Tudo que viole esse contrato constitui infidelidade. Trair vai além da intimidade física com outra pessoa. Além dessa, outros dez tipos de infidelidade existem na lista do psicólogo John Gottman:
Comprometimento condicional: Não se está inteiro na relação. O comprometido flerta e se mantém “atento ao mercado”;
Intimidade sem sexo: Há uma relação íntima com um terceiro, com quem troca confidências, e não conta isso ao parceiro/a;
Mentira: Cansado de discutir, um parceiro passa a mentir sobre coisas banais, como um jeito fácil de ficar em paz;
Aliança contra o parceiro: Um dos parceiros se une regularmente a um terceiro – parente ou amigo – para criticar o outro parceiro;
Ausência e frieza: O parceiro não detecta as necessidades emocionais do outro nem se esforça para aprender ou reaprender;
Perda de interesse sexual:  Desaparece ou diminui muito a atração pelo outro. Não há tentativa nem vontade de reavivar o interesse;
Desrespeito: Não há preocupação em ser gentil e amoroso com o outro. Grosseria e indiferença tornam-se parte da rotina;
Egoísmo:  Atenção apenas às próprias necessidades. Ocorre muito por medo de uma situação nova, como a chegada de um filho;
Injustiça: As decisões deixam de ser tomadas de comum acordo. Uma das partes impõe regularmente sua vontade;
Rompimento de promessas:  O casal faz um pacto (Como guardar dinheiro) e um deles quebra o acordo sem consultar o outro.
Apesar das credenciais acadêmicas de Gottman, alguns estudiosos questionam esses padrões na infidelidade. “Em relacionamentos, é difícil definir regras que sirvam a todos”, diz a antropóloga Mirian Goldenberg, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, autora do livro “Por que homens e mulheres traem?”. Ela estuda a infidelidade há mais de 20 anos. “Nos casos que estudei, cada casal funcionava de um jeito; não há um padrão”.
Gottman discorda. Afirma ter detectado um ciclo de ações e reações que mais comumente levam casais a sucumbir a quaisquer desses tipos de infidelidade, inclusive a física. Chama o primeiro estágio de “estado de negatividade”. Tem início quando um dos dois deixa de dar atenção ou apoio ao outro. Quando o sentimento de mágoa por essa falta não se expressa, ele também não é esquecido. O lado magoado passa a provocar o outro. Isso torna os atritos mais frequentes e leva ambos a assumir uma atitude defensiva. A comunicação fica mais difícil e está instalado o estado de negatividade. E aí começa a segunda etapa do ciclo que leva à traição: As comparações negativas.
Nesse ponto, um dos parceiros compara seu companheiro/a ao perfil de um estranho na internet, a um colega de trabalho, a um parceiro do passado ou a um amor platônico a maioria das comparações, o cônjuge perde, porque, no estado  de negatividade, é difícil perceber e lembrar as qualidades do outro. O distanciamento e a frustração criam o ambiente propício para a traição física e para os outros dez tipos de infidelidade.
 A estratégia mais aconselhável para manter-se um bom relacionamento, segundo Gottman, é evitar o início do ciclo, em vez de tentar interrompê-lo depois. E para isso é preciso conversar e expressar as emoções sobre os incômodos. É necessário também manter em dia o pacto e as combinações. Se uma parte não tem condições de cumprir o combinado, é melhor conversar e mudar o pacto, em vez de desrespeitá-lo continuamente. Ele ensina ainda técnicas que fazem a conversa render, como usar mais “eu” do que “você”. A ideia é mais explicar ao outro o que se sente e menos fazer críticas.
Os casais devem atentar para todas as formas de infidelidade e considerá-las sinais sérios. Melhor que tentar resistir às tentações, é impedir que elas se realizem...
O adultério, ás vezes, é consequência da infidelidade. Ele é condenado por Jesus, quando disse: “Aprendestes o que foi dito aos Antigos: Não cometereis adultério. Mas eu vos digo que todo aquele que tiver olhado uma mulher com um mau desejo por ela, já cometeu adultério com ela, em seu coração”. A verdadeira pureza não está somente nos atos, mas também no pensamento, porque aquele que tem o coração puro não pensa mesmo no mal; foi isso que Jesus quis dizer: Ele condenou o pecado, mesmo em pensamento, porque é um sinal de impureza.
À medida que o ser humano avança espiritualmente, se esclarece e se despoja, pouco a pouco, de suas imperfeições, segundo a vontade que emprega em virtude do seu livre arbítrio. Todo mau pensamento, pois, resulta da imperfeição da alma. Mesmo um mau pensamento torna-se para a alma uma ocasião de adiantamento, porque o repele com energia e não cederá se apresentar-se uma ocasião para satisfazer um mau desejo; e depois que tiver resistido, sentir-se-á mais forte e alegre com sua vitória. Aquele, ao contrário, que procura a ocasião para o ato mau, e se não realiza porque lhe falta oportunidade; ele é, pois, tão culpado como se o cometesse.
A pessoa que não concebe o pensamento do mal, o progresso já está realizado; naquele a quem vem esse pensamento, mas ele o repele, o progresso está em vias de se cumprir; naquele, enfim, que tem esse pensamento e nele se compraz, o mal está ainda com toda a sua força. Deus que é justo e misericordioso considera todas essas diferenças na responsabilidade dos pensamentos e dos atos do ser humano. Quem ama verdadeiramente, não pratica a infidelidade...

Fontes:
Revista Época – 11/8/2014
Jornalista Natália Spinacé
“Evangelho Segundo o Espiritismo”-  cap. VIII
+ Pequenas modificações

Jc.
São Luís, 18/8/2014

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

JOSÉ BENTO MONTEIRO LOBATO





 Monteiro Lobato nasceu em 18 de abril de 1882, na cidade de Taubaté, filho de José Bento Marcondes e Olympia Monteiro Lobato. Um garoto que se tornaria o mais importante escritor de literatura infantil do país. Naquele tempo não existia televisão, nem cinema nem automóvel. Naquele ano estavam surgindo o ferro elétrico e o ventilador. Era uma época em que as crianças agiam como tal. Monteiro Lobato, como as demais crianças da época, inventava brinquedos com sabugos de milho, mamão verde, panos e material desse tipo. Juca – como era chamado – brincava com suas irmãs mais novas, Ester e Judite. Ele adorava os livros de seu avô materno, o Visconde de Tremembé. Mais tarde, em 1893, mudaria seu nome para José Bento Monteiro Lobato, por desejar usar uma bengala do pai gravada com as iniciais J.B.M.L.
Em 1898, aos dezesseis anos, perde seu pai e, no ano seguinte, sua mãe. Seu avô materno assume a tutela dos três netos. Ainda no colégio, Monteiro Lobato funda vários jornais e escreve com pseudônimo. Aos 18 anos tenta entrar para a Escola de Belas-Artes, mas, por imposição do avô, entra para a Faculdade de Direito. Forma-se em 1904 e em maio de 1907, é nomeado promotor em Areias (SP), e naquela cidade se casa com Maria Pureza Lobato, conhecida entre os amigos como Dona Purezinha, com quem teve os filhos Edgar. Marta, Rute e Guilherme. Em 1911, com a morte do avô herda a fazenda de São José de Buquira, para onde se muda com a família. Lá cria o personagem que viria a se tornar símbolo nacional: O Jeca Tatu, figura do folclore brasileiro. Em 1916 promoveu uma pesquisa de opinião sobre o Saci, no jornal O Estado de São Paulo. A pesquisa faria aparecer seu primeiro livro, “O Saci-Pererê: resultado de um inquérito”, lançado no início do ano seguinte. 1917 as dificuldades o fazem vender a fazenda e em 1918 vai morar em Caçapava.
No Natal de 1920, lança seu primeiro infantil: “A Menina do Narizinho Arrebitado”, no qual criou o fantástico mundo do “Sitio do Pica-Pau Amarelo”, onde Lúcia a menina do narizinho arrebitado dividia suas aventuras com Dona Benta, Tia Anastácia, o Visconde de Sabugosa – um sabugo de milho que adquiria vida – e a imprevisível Emília, uma boneca de pano que falava, agia e pensava como uma pessoa adulta. No ano seguinte o livro teve uma edição de 50 mil exemplares e foi adotado pelo governo de São Paulo como livro de leitura obrigatória para o primeiro grau. Monteiro Lobato dividia as histórias com personagens reais, mitológicos folclóricos e uns criados por outros escritores.
O senso crítico artístico do escritor aflorou em 1922. Em 1925, depois de enfrentar dificuldades, fecha á editora e constitui, no Rio de Janeiro, a Cia. Editora Nacional com outros dez sócios. Dois anos depois é nomeado adido comercial no Consulado do Brasil nos Estados Unidos. Em 1930, após a revolução que destituiu o presidente Washington Luiz, Monteiro Lobato é exonerado e retorna ao país no ano seguinte, pregando a redenção e desenvolvimento do Brasil pela exploração de ferro e do petróleo. Começa então a travar uma luta que o faria pobre doente e desgostoso. Ele foi perseguido, preso e criticado por dizer que no Brasil havia petróleo, contrariando assim, o interesse oficial. Retorna à literatura infantil, decepcionado com os adultos que o perseguem por suas ideias. Em 1933 lança “História do Mundo para Crianças”, que provoca reações e censura da Igreja Católica.
Em 1934, Getúlio Vargas lhe oferece a direção do Departamento de Difusão Cultural que ele rejeita, e nos anos seguintes denuncia o Departamento de Produção Mineral e o Conselho Nacional de Petróleo. Em 24 de maio de 1940, durante o Estado Novo, num ato de grande coragem, ele escreveu uma carta para o presidente Getúlio Vargas, alertando-o de que havia displicência por parte do Conselho Nacional de Petróleo, ao retardar a criação de uma indústria petrolífera nacional, apenas para satisfazer interesses estrangeiros. Em vista dessa correspondência e de outras declarações sobre o assunto, Monteiro Lobato foi detido e preso no dia 20 de maio de 1941, sendo depois indultado por Getúlio e liberado da prisão em 20 de junho do mesmo ano.
Passados mais de dois anos após a saída da prisão, Lobato descobriu o mundo espiritual, os Espíritos e sua capacidade de nos contatar. No livro “Monteiro Lobato e o Espiritismo”, de Maria José Sette Ribas, foram publicadas as Atas das reuniões em que ocorreram suas experimentações com a mediunidade. Os participantes das reuniões utilizavam um copo que, sob a ação dos Espíritos e sendo tocado pelo médium e por seus assistentes, deslizava sobre um alfabeto disposto de maneira circular, lembrando alguns aspectos das tábuas. No grupo, cabia a Monteiro Lobato anotar as letras do alfabeto que tinham sido escolhidas pelos Espíritos, em resposta às perguntas formuladas, bem como escrever as Atas. A médium do grupo familiar era sua esposa Dona Purezinha e os encontros duraram entre os anos de 1943 e 1947.
Durante esses encontros, Monteiro Lobato aprender a dialogar com os Espíritos comunicantes e chegou até mesmo a obter a transformação moral de um Espírito que se identificou pelo nome K, que inicialmente atormentava os encontros. Ele não era um simpatizante do Espiritismo, mas um espírita praticante. Ele realizou muitas experiências com as chamadas sessões do copinho e conseguiu comunicar-se com os filhos, parentes e amigos falecidos, inclusive com a famosa Anastácia das histórias infantis de Emília e Pedrinho, que realmente ela existiu. Ele se convenceu da imortalidade espiritual do ser humano e da possibilidade de comunicação com os mortos depois de uma sessão em que se manifestaram seis de seus grandes amigos.
A morte de seus filhos e as comunicações mediúnicas recebidas de amigos, já transferidos para a Pátria Espiritual, principalmente de Martins Fontes, foi o móvel de sua modificação filosófico-religiosa.  Após aqueles fatos, Monteiro Lobato dedicou-se com afinco ao aprendizado e às pesquisas sobre a Doutrina dos Espíritos, inclusive realizando sessões mediúnicas, das quais existem ainda hoje as competentes Atas.
Como prova de sua adesão definitiva às convicções espiritistas, há o registro de que, pouco antes do seu desenlace físico, dirigiu as seguintes palavras à sua dileta amiga Maria José Sette Ribas: “Minha filha, amanhã, ou depois, se vir no jornal que eu morri você não vai chorar. Sabe bem que não morremos, e esta foi apenas uma das minhas passagens sobre a Terra. Somos imortais”.
Monteiro Lobato desencarnou repentinamente em 1948, deixando vasta herança ao povo brasileiro, os relatos até hoje das aventuras ocorridas no “Sitio
do Pica-Pau Amarelo”, que encantam o imaginário popular; e por fim, pelas Atas de suas reuniões mediúnicas, que hoje podem ser utilizadas como mais uma comprovação da realidade dos Espíritos desencarnados e de suas comunicações. Ele desencarnou na madrugada do dia 4 de julho de 1948, aos 66 anos, Em São Paulo, vitimado por um derrame.

Fonte:
Jornal “O Imortal”- 8/2014
Marinei Ferreira Rezende
+ Supressões e pequenas modificações.

Jc.
São Luís, 21/8/2014

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

A GRANDE TRANSIÇÃO QUE ESTÁ ACONTECENDO




 “Opera-se na Terra, neste momento, a grande transição anunciada pelas Escrituras, e confirmada pela Doutrina dos Espíritos”. O planeta sofrido experimenta convulsões especiais, tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Isto porque os Espíritos que a habitam, ainda estagiando em faixas de inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados, que a impulsionarão pelas trilhas do progresso moral, dando lugar a uma era nova de paz e de felicidade.

Os espíritos renitentes na perversidade, nos desmandos, na sensualidade e vileza, estão sendo encaminhados lentamente para mundos inferiores onde enfrentarão as conseqüências dos seus atos ignóbeis, assim renovando-se e predispondo-se ao retorno planetário, quando recuperados e decididos ao cumprimento das leis de caridade e amor. Por outro lado, aqueles que permaneceram nas regiões inferiores, estão sendo trazidos à reencarnação, de modo a desfrutarem da última oportunidade de trabalho e de aprendizado, modificando os atos infelizes a que estão submetidos, podendo avançar sob a misericórdia de Deus.

Caso eles se oponham às exigências da evolução, também sofrerão um tipo de expurgo temporário para regiões primárias entre raças atrasadas, tendo o ensejo de serem úteis e de sofrerem os efeitos danosos da sua rebeldia. Enquanto isso, Espíritos nobres, que conseguiram superar os impedimentos que os retinham na retaguarda, estarão chegando, a fim de promoverem o bem e alargarem os horizontes da felicidade humana, trabalhando infatigavelmente na reconstrução da sociedade, então fies aos desígnios divinos. Da mesma forma, missionários do amor e da caridade, procedentes de outras Esferas, estarão revestindo-se da indumentária carnal, para tornar essa fase de luta mais iluminada e mais amena, proporcionando condições dignificantes que estimulem ao avanço e à felicidade.

Não serão apenas os cataclismos físicos, que sacudirão o planeta como resultado da “lei de destruição”, geradora desses fenômenos, como ocorre com o outono, que derruba a folhagem das árvores, a fim de que possam enfrentar a invernia rigorosa, e depois renascerem exuberantes, com a chegada da primavera; mas também, os de natureza moral, social e humana, que assinalarão os dias tormentosos que já vivemos. As ocorrências apresentam-se individuais e coletivas ameaçando de destruição a existência com hecatombes inimagináveis, como se a vida pudesse ser aniquilada...

A loucura, decorrente do materialismo das pessoas, atira-as nos abismos da violência e da insensatez, ampliando o campo do desespero que se expande por todos os lugares. Esfacelam-se os lares, desorganizam-se os relacionamentos afetivos, desestruturam-se as instituições, as oficinas de trabalho convertem-se em áreas de competição desleal, as ruas das cidades transformam-se em campos de lutas perversas, levando de roldão os sentimentos de solidariedade e de respeito, de caridade e de amor... A turbulência vence a paz, o conflito domina o amor, a luta desigual substitui a fraternidade; a violência, a corrupção e o crime imperam em todos os lugares. Tudo isso é apenas o começo da transição...

A finalidade da existência humana é a conquista do amor que proporciona plenitude. Há, em toda parte, uma destinação inevitável, que expressa á ordem universal e a presença de uma Consciência Cósmica atuante. A rebeldia, que predomina no comportamento humano, elegeu o crime como instrumento para conseguir o prazer que lhe não chega de maneira espontânea, gerando lamentáveis conseqüências, que se avolumam em desastres contínuos. É inevitável a colheita da sementeira por aquele que a fez, tornando-se rico de grãos abençoados ou de espinhos venenosos.

Como as leis da Vida não podem ser derrogadas, toda objeção que se lhe faz converte-se em aflição, impedindo a conquista do bem-estar. Da mesma forma, como o progresso é inevitável, o que não seja conquistado através do dever, sê-lo-á pelos impositivos estruturais de que o mesmo se constitui. A melhor maneira, portanto, de compartilhar conscientemente da grande transição é através da consciência de responsabilidade pessoal, realizando as mudanças íntimas que se tornem necessárias e próprias para a harmonia do ser humano.

Nenhuma conquista exterior será lograda se não proceder das paisagens íntimas, nas quais estão instalados os hábitos. Esses, de natureza perniciosa, devem ser substituídos por aqueles que são saudáveis, portanto, propiciatórios de bem-estar e de harmonia emocional. Na mente está á chave para que seja operada a grande mudança. Quando se tem o domínio sobre ela, os pensamentos podem ser canalizados em sentido edificante, dando lugar a palavras nobres, atitudes corretas e exemplos dignos.

A pessoa que se renova moralmente contribui de forma segura para as alterações que se vêm operando no planeta. Não é necessário que o turbilhão de sofrimentos gerais o sensibilize, a fim de que possa contribuir eficazmente com os Espíritos que operam em favor da grande transição. Dispondo das ferramentas morais do enobrecimento, torna-se cooperador eficiente, em razão de trabalhar junto ao seu próximo pela mudança de convicção em torno dos objetivos existenciais, ao tempo em que se transforma num exemplo de alegria, de fraternidade e de felicidade para todos.

O bem fascina todos aqueles que o observam e atrai todos quantos se encontram distantes da sua ação, o mesmo ocorrendo com a alegria e a saúde. São eles que proporcionam o maior contágio de que se tem notícia e não as manifestações berrantes que parecem arrastar as multidões. Como escasseiam os exemplos de júbilo, amor e caridade multiplicam-se os de desespero, de ambição, de egoísmo. Assim, a grande transição prossegue, e porque se faz necessária, a única alternativa é examinar-lhe a maneira como se apresenta e cooperar para que as sombras que se adensam no mundo, sejam diminuídas pelo sol da fraternidade. Nenhum receio deve ser cultivado,  mesmo que ocorra a morte, esse fenômeno natural é veículo da vida que se manifestará em outra dimensão.

As aguardadas mudanças que se vêm operando, traz ainda uma não valorizada contribuição, que é a erradicação do sofrimento das paisagens espirituais da Terra. Enquanto o mal estiver presente no mundo, o ser humano se torna a sua própria vítima, em face do egoísmo em que se encontra apenas por eleição especial.  A dor que momentânea o fere convida-o, por outro lado, à observância das necessidades imperiosas de seguir a correnteza do amor no rumo do oceano da paz. Logo passado o período da transição, chegará o da harmonia e da felicidade.

Até lá, que todos os investimentos que fizermos, sejam eles de fraternidade, de bondade, de ternura, de abnegação e de irrestrita confiança nos desígnios do nosso Pai Celestial...


Bibliografia:
Joanna de Angelis em psicografia a
Divaldo Franco em 30/7/2006
Revista “Reformador”  03/2007


Jc.
S.Luis, 3/6/2011
Revisado em 25/10/2014

domingo, 9 de novembro de 2014

JESUS, FAROL DA HUMANIDADE




 No transcurso dos ciclos das existências, as páginas do tempo revelaram situações e principalmente personagens que não apenas marcaram a história humana, mas transformaram-na, agindo como faróis a iluminar e apontar, com segurança, os rumos mais seguros na infinita trajetória de evolução. Seres humanos e personalidades diferenciadas sempre existiram em diversos campos do cultivo humano nas glebas do conhecimento, ciência, fé e transcendência. Graças a esses personagens, herdamos uns dos outros, e de nós mesmos no ir e vir das sucessivas romagens em mergulhos carnais, as mais belas realizações de crescimento e incorporação de valores em existências menos sofridas, mais harmoniosas e plenas.
Os expoentes que trouxeram suas colaborações, que se traduziram posteriormente em verdadeiros saltos na evolução de seus pares em suas épocas, enfrentaram, sem exceções, rejeições de todas as ordens em ações de extremadas violência, recebendo ainda o antagonismo da ignorância aferrada em mesquinhos e restritos interesses. Essas ações sempre foram motivos para as mais variadas ações de conflitos, traduzidos em guerras e crimes que imprimiram e ainda marcam com sangue e lágrimas, o solo do nosso querido globo terrestre.
A ideia transcendente de um poder absoluto, originário e sobre-humano que a tudo responde pela criação, sempre levou a todos os povos, desde os primeiros habitantes da raça humana, a buscá-lo de alguma forma nas mais variadas expressões de espiritualidade. O caráter espiritual e divino da criatura é a marca de Deus no ser humano, servindo-lhe de código seguro para as melhores resoluções na existência. Esta foi e é, sem dúvida, a essência da tarefa educativa dos seres missionários em jornadas constantes no planeta em todas as épocas: auxiliar a extrair do íntimo dos seres humanos seus potenciais divinos, traduzidos em conhecimentos e valores imperecíveis.
Entre todos os grandes guias e educadores que passaram pela Terra em todos os campos do conhecimento humano, um se destacou de forma absoluta pela grandeza de que é possuidor e de sua mensagem, de seu amor infinito a Deus e aos homens – Jesus. Este ser especial, Farol dos faróis, governa e guia o nosso planeta,
sinalizando aos navegantes da nau terrestre, os rumos seguros pelos mares tormentosos da convivência humana. Seu faixo de luz indestrutível e amoroso, agindo em nome do Pai, oferece a misericórdia infinita em suas ações que não principiaram na manjedoura singela e tão pouco terminaram no madeiro infamante, vistos pelo prisma restrito da ignorância dos seres humanos.
Nenhum dos grandes sábios e expoentes da humanidade se equipararam à superioridade do meigo Rabi da Galileia, que reduz a intensidade da sua própria luz, abrandando-a de tal forma a não ofuscar os seus irmãos terrenos e para que pudesse estar ao nosso lado sem nos humilhar. Singra nossa atmosfera terrestre como faixo luminoso que desce ao charco iluminando-o sem se contaminar. Reacende as esperanças de um novo ciclo de vida renovada para todos, desce na noite escura das trevas das iniquidades humanas para acender estrelas de novos valores nos corações dos homens.
Ofertou a todos os que o procuravam, a palavra franca e magnética que traduzia a Lei em sua feição pura, a verdade desconcertante aos iludidos pela possa efêmera dos bens perecíveis e temporais da matéria, tais como: o poder político, o poder financeiro, o poder religioso, todos revestidos pelas túnicas das vaidades, orgulhos e egoísmos humanos. Dirigiu-se particularmente aos corações sinceros que habitavam as cidades singelas da Galileia, Magdala, Dalmanuta, Cafarnaum;  comunidades essas humildes que existiam à beira do rio Jordão.  Nos muros velhos das cidades de Israel, iniciava, ali, a epopeia de amor mais bela de todas na história da humanidade. O Mestre caminha estabelecendo amigável convite para formação do seu círculo de discípulos mais próximos, buscando, inicialmente entre os pescadores do mar da Galileia, os pescadores das almas sedentas de renovação.
Ainda, nos dias atuais, há muita dificuldade em dimensionar a superioridade, a grandeza, a importância e a envergadura moral do Messias. O homem do mundo, acostumado a reverenciar a vitória estabelecida através da imposição, do jugo do mais forte ao mais fraco, daqueles que impunham o peso de seus exércitos e de suas demonstrações de superioridade evidenciadas nas construções de seus palácios, seus templos, de sua força e posição social, de títulos de nobreza que os distinguiam dos demais, não O compreendiam e ainda hoje, muitos não O compreendem.
Que homem era aquele que falava de um Reino de Deus tão feliz? Onde as dores encontrariam o lenitivo, onde todos sem exceção tinham o direito de penetrar, principalmente aqueles deserdados do mundo, os sofredores, os doentes, esquecidos e vilipendiados pela sociedade? Que espécie de líder era aquele que arrebatava a alma de quem ousava simplesmente cruzar o seu olhar? Que inspirava nos corações mais endurecidos, um misto de admiração e medo!  Que majestade oculta exalava de sua personalidade augusta que dominava todas as Leis, todas as ciências e que revelava aos homens, um Deus acessível, misericordioso, justo e, sobretudo, amoroso e de bondade infinita?
Como guia, Ele não estabeleceu divisão entre Si e o povo. Não participava do conforto dos palácios e dos tronos dos governantes, símbolos de autoridade máxima da época, ditando regras e impondo o seu cumprimento. Não, indicava apenas o caminho, mas ia lado a lado explicando e vivenciando suas máximas morais, a aplicação da lei de amor no dia a dia das pessoas. Viveu a existência simples como as pessoas, sem exaltação de sua personalidade superior, demonstrando que ninguém precisava sair do contexto em que se encontrava, para viver em sintonia com as Leis de Deus e cumprir a vontade do Pai.
Era em suma, o divino pastor por excelência, que por andar e viver junto ao seu rebanho, usando as palavras do Papa Francisco, tinha nas vestes “o cheiro de suas ovelhas”. Educador amoroso, em nenhum momento foi visto julgando a quem quer que fosse e respeitou a tal ponto a liberdade de pensamento, de arbítrio e ação do homem, que mesmo sabendo ser inocente, se submeteu à prisão injusta, ao julgamento arbitrário e vil, ao açoite, escárnios públicos e, por fim, ao calvário humilhante. Exemplificou sua mensagem de amor até o momento extremo, pedindo ao Pai que perdoasse a ignorância do ser humano.
Como farol da humanidade, segue, Ele, ao longo dos milênios, iluminando os caminhos e alertando-nos dos perigos escondidos nas mentes das perturbações humanas. Muitos já se orientam pelo farol luminoso que é a luz de Jesus, nos roteiros das jornadas terrenas e, conscientes, tornam-se por sua vez, lanternas às vezes fracas, outras vezes verdadeiros faróis com a missão de espalhar a luz de amor do Cristo por toda a Terra.
A felicidade experimentada em auxiliar os outros irmãos infelizes, que ainda permanecem na retaguarda, deve constituir incentivo maior para que a pessoa humana deixe, em definitivo, a posição de náufrago no mar tempestuoso e passe a ser um farol na escuridão das tormentas daqueles que anseiam pelo mínimo sinal de luz...

Fonte:
Jornal “Brasília Espírita” – 5 e 6/2014
Maurício Curi
+ Supressões e pequenas alterações.

Jc.
São Luís, 11/6/2014

domingo, 2 de novembro de 2014

MÃES, COMO DEVEM CUIDAR DOS RECEM-NASCIDOS





Mitos e verdades sobre o primeiro ano do bebê. A falta de informações precisas, palpites e crenças populares podem deixar muitas mães confusas, especialmente as de primeira viagem. Descubra por que nem sempre é uma boa ideia seguir determinados conselhos.
Cerveja preta para estimular a produção de leite, moeda para cicatrizar o umbigo e até azia, são algumas das inúmeras teorias que as futuras mães passam a escutar assim que anunciam a gravidez. Embora grande parte dessas crenças não tenha qualquer embasamento científico, algumas mulheres fazem questão de seguir toda sorte de recomendação. Mas é preciso saber diferençar as verdades incontestáveis daquelas que não são e não passam de pura fantasia. Consultado especialista, este colocou a prova algumas “verdades irrefutáveis” para que você futura mãe, saiba o que realmente tem de ser levado em conta no primeiro ano de existência do seu filho.
Conversar com os bebês faz sentido? Sim. Muitas pessoas acreditam que o recém-nascido consegue assimilar o que é dito pela mãe. Segundo a professora de Psicologia, Isabella Paiva Monteiro de Barros, da Universidade Mackenzie (SP), essa despretensiosa “conversa” é superimportante. “Além de estreitar os laços dos pais com o filho, ela ajuda a atribuir sentido às informações que o bebê recebe do ambiente”.
Tomar mamadeira deitado pode causar dor de ouvido? Sim. Como o canal que liga a garganta ao ouvido é muito curto e horizontal no recém-nascido, o líquido tende a afluir com mais rapidez, principalmente se o bebê estiver deitado. Isso possibilita que o leite alcance o ouvido e suas bactérias se instalem ali, existindo o risco de se multiplicarem, provocando uma infecção. Até os dois anos de idade, a criança deve, portanto, estar inclinada em um ângulo de 30º a 45º para evitar o problema.
Levantar o braço da criança faz passar o soluço? Não. O soluço é resultado da contração involuntária do diafragma e, como os diferentes estímulos ao qual o recém-nascido é exposto podem contrair o músculo, o problema é frequente nessa fase.
O bebê passou meses na barriga da mãe, recebendo o alimento já metabolizado, pelo cordão umbilical e de repente, ele passa a ter de sugar, mamar, engolir digerir, urinar, evacuar... Começando a exercer uma série de funções, como uma máquina que acabou de ser ligada. Não há muito que fazer; o jeito é esperar o soluço cessar naturalmente. Algumas mães costumam colocar um pedaço de algodão molhado na testa da criança para parar o soluço.
Dormir de barriga para cima, aumenta os riscos do bebê regurgitar e engasgar?  Não. Quando dorme para cima, a criança consegue mexer a cabeça livremente para os dois lados, o que ela certamente fará se sentir algum incômodo. Se ainda assim ela engasgar, provavelmente ocorrerá a tosse. A posição que, de fato, oferece risco é a de barriga para baixo, por deixar o bebê sem liberdade de movimento e sujeito a inalar o gás carbônico liberado na respiração,  que pode asfixiá-lo.
A ansiedade da mãe aumenta a possibilidade de o bebê ter cólica? Sim. O sistema digestivo dos bebês é imaturo, implicando em movimentos de relaxamento e contração que podem resultar em gases e cólicas, bastante comuns. Ocorre que a criança é capaz de perceber as alterações de humor da mãe e também fica tensa, insegura. Daí o corpinho da criança reage, favorecendo a sensação dolorosa. Por isso, a mãe deve se acalmar e tentar evitar que a tensão transpareça e afete o bebê.
Bolsa de água quente melhora a cólica? Sim. O calor diminui o incômodo causado pela cólica. A elevação da temperatura provoca a dilatação dos vasos sanguíneos e o relaxamento muscular. A dica para esquentar o local da dor e aliviá-la é lançar mão da bolsa com água morna ou encostar a barriguinha do bebê na da mãe.
O leite sempre deve ser servido morno? Não. O leite materno, claro, deve ser sempre a primeira opção, e ele já sai na temperatura ideal para o consumo. Segundo o pediatra José Luiz Setúbal, presidente do Hospital Infantil Sabará (SP), o bebê pode tomar leite morno ou na temperatura ambiente. Para quem costuma armazenar o líquido no congelador, a dica é aquecê-lo em banho-maria, já que a fervura causa a perda de suas propriedades. As fórmulas de leite em pó precisam ser reconstituídas em água fervente para reduzir os riscos de infecção.
Vacina dá reação? Em termos. Por ser um corpo estranho ao organismo á vacina é capaz de provocar alguma reação. Entretanto, hoje em dia isso acontece com menos frequência, já que os processos de imunização são mais modernos do que os de antigamente. Após a aplicação da vacina BCG (antituberculosa), é esperado que o recém-nascido sempre apresente uma pequena ferida no braço que, depois de cicatrizada, forma uma marquinha. Já no caso da vacina Sabin (contra a poliomielite), a reação é raríssima. Com a vacina tríplice viral (contra caxumba, rubéola e sarampo), há o risco do bebê ter febre e dor local, isso porque a vacina é composta pelos próprios vírus causadores da doença, atenuados. Reações semelhantes, podem ser observadas na aplicação da vacina penta-valente (contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e hepatite B). Um antitérmico costuma resolver, mas só pode ser tomado com orientação médica e depois do sintoma se manifestar.
A erupção do dente provoca febre? Em termos. “Em casos raros, a criança pode até apresentar febre baixa, em torno de 37,5ºC”, afirma a pediatra Leda Amar de Aquino, do Departamento Científico de Pediatria, da Sociedade Brasileira de Pediatria. Mas isso só ocorrerá segunda ela, se acontecer algum processo inflamatório na gengiva. Se ocorrer febre acima de 38ºC, a recomendação é consultar um médico.
Chupeta entorta os dentes da criança? Não. No primeiro ano de existência, a chupeta não prejudica a estrutura dentária. Mas se a criança já passou de dois meses e está ganhando peso, é sinal de que o aleitamento vai muito bem, obrigado. Mesmo assim, as mães precisam entender que a chupeta tem a função de acalmar e, por isso, não há necessidade de liberar seu uso. “Somente depois de dois anos, a utilização da chupeta prejudicará o desenvolvimento dos dentes, já que ela projeta a língua para fora, empurrando os incisivos para a frente”, justifica a pediatra Leda.
Bebê que brinca demais tem sono agitado? Em termos. “As crianças têm dificuldades para se desligar e despedir do dia e das pessoas. Então, dependendo do nível de excitação e do tipo de intervenção do adulto na brincadeira, a qualidade do sono pode ser prejudicada”, destaca a psicóloga Isabella. A maneira ideal é que a brincadeira termine cerca de duas horas antes de ir dormir o bebê.
Outras informações sobre a obesidade.
Se a desnutrição e o baixo peso estavam no topo da lista de problemas que rondavam as crianças nos anos de 1970, pais o mães de hoje precisam lidar com uma nova ameaça à saúde dos filhos que seguem uma dinâmica oposta: a do excesso de peso. A obesidade ganhou status de epidemia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A instituição já contabiliza 42 milhões de crianças com menos de cinco anos, obesas nos quatro cantos do planeta. Para suavizar esse problema as futuras mães devem observar certas regras:
Prevenção desde o útero.  Controlar o peso durante a gravidez é a primeira contribuição para um filho sadio. A conclusão é de cientistas das universidades norte-americanas de Minnesota e Wright State, que cruzaram dados de 912 crianças de 0 a 3 anos com informações sobre o parto. Os cientistas observaram que os cuidados durante os nove meses ajudam a prevenir o sobrepeso. Isso porque os quilos excedentes da mãe são fatores de risco para o diabetes gestacional e elevam a possibilidade do bebê nascer muito grande, criando, desde cedo, um padrão metabólico de acúmulo. Se você se descuidou na gravidez, não é preciso se sentir a pior mãe do mundo.  A amamentação é a segunda oportunidade de contribuir, bem cedo, para a boa saúde de seu filho.
Dieta no peito.  Além de proteger contra alergias e fortalecer o sistema imunológico, o leite materno combate a obesidade porque tem a quantidade exata de nutrientes que o bebê precisa em cada fase do seu desenvolvimento. “A amamentação evita que a criança consuma uma quantidade de alimentos maior do que o necessário”, explica a nutricionista Priscila Maximiano, da Nutrociência.
Outras orientações
No nascimento- A mãe deve dar de mamar logo após o nascimento. Até os 6 meses, o leite do peito é o único alimento necessário. A amamentação fornece o alimento e o carinho. O bebê já sente e aprende e gosta que falem e cante quem cuida dela;
2 meses- A criança responde ao sorriso com outro sorriso. A amamentação protege a criança contra doenças e ajuda e desenvolver sua inteligência;

4 meses- A criança já fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Continue amamentando e comece a dar-lhe outros alimentos. Ela gosta de colocar as mãos e tudo o que pega leva a boca. Seus brinquedos devem ser grandes para evitar colocar na boca e devem estar limpos. Coloque a criança em lugares diversos, mas atenção porque ela começa a rolar e pode cair;
6 meses- Ela já se vira para o lado do barulho; já pode comer duas refeições de sal, mas ainda precisa mamar. Converse com ela, repetindo os sons que ela faz. Coloque-a no chão para se movimentar melhor. Olha e pega tudo; cuidados com coisas pequenas para não se engasgar, e com tomadas de eletricidade;
9 meses- Arrasta-se ou engatinha. Brinque com a criança de fazer caretas, bater palminhas, e mostre alegria com o que ela for aprendendo. Converse com ela, ensinando-lhe o nome das coisas e pessoas. Ela já é muito curiosa; não deixe ao seu alcance: coisas pequenas, remédios, vidros, talheres e coisas perigosas;
1 ano- Já fala duas palavras e já come a comida de casa, mas precisa comer mais vezes que um adulto. Ela brinca de bater, encaixar e empilhar objetos. Já começa a aprender o nome das partes do corpo.
1 ano e 6 meses- A criança já anda sozinha. Ela gosta de brincar com água. Ajude-a á lavar as mãos e a escovar os dentes. Deixe que ela use o copo e a colher. Comece aos poucos a tirar a fralda e ensine ela a usar o peniquinho, com paciência;
2 anos- Ela já empilha as coisas, e gosta de brincar com coisas variadas e com outras crianças. Já tem vontade própria e fala muito a palavra não. Já sabe subir e mexe em tudo: cuidado com o fogão e cabos de panelas. Não esqueça de lhe falar de Jesus e lhe ensinar a rezar.
2 anos e 6 meses- Já fala frases curtas. Gosta de cantar, batucar, imitar as pessoas e animais. Ensine-lhe a dizer seu próprio nome e converse sempre com ela. Aprende muito pela imitação: o exemplo dos adultos é muito importante nessa fase, pois ficará para sempre;  deve colocá-la numa creche para desenvolver sua personalidade;
3 anos- Gosta de desenhar bolinhas ou rabiscos diversos. Ela precisa de outras crianças, de espaço para brincar, correr e pular. Ajude-a á vestir-se e a calçar os sapatos e aprender a contar e conhecer as cores; deve colocá-la na educação infantil;
4 anos-  Gosta de ouvir histórias e músicas; repetir pequenas histórias, cantarolar canções e ver revistinhas e TV. Por ter atração pelo fogo, tenha muito cuidado e lhe explique o perigo. Ensine-lhe a ser organizada, a cuidar das suas coisas e do lugar onde vive. Ajude-a sempre para que ela aprenda melhor
Daí em diante, os exemplos dentro do lar (carinho, amor, sinceridade, honestidade e fraternidade), e de outros que ela observar, vai influenciar na sua trajetória existencial, para com as pessoas, os animais, a sociedade, a natureza e o mundo em geral.

Fonte:
Revista “Crescer” – 09/2013
+ Acréscimos e modificações

Jc.
São Luís, 20/10/2013
Refeito em 2/11/2014