sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

I N T E R E S S E S




 O que na existência se faz por interesse? – Ou, o que na existência se faz sem interesse? – Esta é uma pergunta bem interessante. Vejamos então o assunto.

Interesses existem de todas as maneiras e formas. Existe o interesse direto como o indireto que tanto pode trazer vantagem ou não. O interesse, às vezes, está oculto e dele não nos damos conta sem uma análise profunda.

Há o interesse de existir materialmente para evoluir, por isso o espírito reencarna. Existe o interesse de continuar a existência, por isso respiramos e nos alimentamos; existe o interesse de permanecermos vivos, por isso, quando doentes, logo procuramos um meio para nossa cura, além do interesse de querermos nos livrar dos sofrimentos que a doença trás; existe até o interesse de morrer, quando a pessoa já bastante idosa ou bastante sofredora, debilitada e desesperança deseja a morte, com o interesse de querer se livrar dos padecimentos,  o interesse de evitar o sofrimento de seus parentes e ainda, o interesse de habitar o tão sonhado “céu”, prometido por Jesus para os justos.

Existem interesses diversos como o de se alimentar de acordo com seus gostos para satisfazer o paladar; o de beber este ou aquele líquido por lhe agradar o gosto ou pelo interesse de lhe dar coragem para alguma ação; o de vestir com determinada roupa para se apresentar bem e satisfazer a vaidade; o de calçar determinado sapato pelo conforto e prazer de estar na moda; o de usar um relógio para saber as horas; o de usar óculos, para ter o interesse da boa visão; o de cuidar do corpo para se sentir bem e ter saúde; o de trabalhar, para não depender dos outros e ter seu próprio dinheiro; o de agradar a uns e outros para ser simpático e estimado; o de locomover-se para exercitar-se, passear, resolver assuntos e dirigir-se para outro local; o de dormir para descansar o corpo e não prejudicar a saúde; o de se divertir para descontrair e não cair na depressão; o de falar para se comunicar com os outros; o de ouvir para saber das “fofocas”, das coisas ou para aprender; existe o interesse de constituir família por vários motivos: entre eles evitar a solidão, ter uma companhia para repartir tristezas, problemas e alegrias; consolidar afetos e dar continuidade a  família; temos o interesse de criar e educar os filhos para que se tornem bons cidadãos, constituam um lar e
perpetuem o nome da família.

Assim, desde o presidente do país até o mais humilde ser humano, o interesse sempre está presente, quando pensamos, falamos e fazemos ou deixamos de fazer alguma coisa. Até o simples fato de não se fazer nada, já demonstra o interesse oculto que é o de ser um parasita; assim mesmo há interesse nessa situação de inércia; o simples ato de respirar demonstra o interesse de continuar existindo.

Durante nossa existência, existem o interesse de crescer, de estudar, de trabalhar,  de ser importante,  de ter uma situação privilegiada,   de ter uma posição social,  de praticar o mal ou o bem,  etc.   A verdade é que toda e qualquer ação ou reação que praticamos, tem sempre um interesse direto ou indireto, claro ou oculto, que nos beneficia ou prejudica, ou a um nosso semelhante. O bebê chora porque tem interesse de alguma coisa; a criança pede, reclama e exige por algum interesse, o adolescente tem o interesse que o mundo lhe sirva às vontades, o adulto sempre está interessado em algo que sente fazer falta; no idoso, o interesse vai desde o carinho dos netos até o desejo de se libertar do velho corpo, com problemas de saúde, que lhe impossibilita os prazeres de outrora, desejando até a morte como descanso dos sofrimentos.

Existem interesses diversos movidos pelo prazer e desprazer, pela ambição e desprendimento, pelo orgulho, vaidade e humildade, pela ganância e simplicidade, pela mentira e pela verdade, pelo egoísmo e pela caridade, pelo ódio e pelo amor, assim como em nosso benefício e em benefício e prejuízo do nosso próximo. Até Jesus, ao vir a Terra e viver entre nós, também foi movido pelo interesse de fazer a vontade do Pai e, ainda, pelo desejo de ajudar a nós outros, pobres mortais ignorantes e atrasados. Foi por isso que Ele veio ao mundo e realizou como Mestre, o curso de aperfeiçoamento da existência e da evolução espiritual.

Não existe, portanto, essa de se dizer que se faz isto ou aquilo sem interesse. Se você tiver dúvidas ou não aceitar a idéia de que tudo se faz por interesse, pense em algo que você julga que não faz por interesse, e certamente vai descobrir o interesse oculto; é só procurar. Tudo o que fazemos consciente ou inconscientemente, por um desejo, um prazer, uma necessidade, um dever,  o fazemos por um interesse que se manifesta. Agora mesmo em que estou escrevendo este artigo, estou movido pelo interesse de transmitir esta minha opinião, de realizar este trabalho, mesmo sem o interesse de cobrar nada por esta exposição.  Se, vivemos na base do interesse, a nossa consciência é quem vai julgar se os nossos atos estão voltados para a maledicência, prejudicando nossa evolução; ou se estão voltados para a fraternidade, á caridade o bem, ajudando-nos na caminhada para a luz, o amor e o Reino Divino. São tantos os interesses que nos move durante a existência que seria até enfadonho continuar mencionando-os.

Mas, será que tudo é movido pelo interesse?

Pesquisando e analisando muito cheguei à conclusão até hoje, de que finalmente descobri uma coisa que não é movida pelo interesse, que é:  A SIMPATIA ou a ANTIPATIA, que sentimos instantaneamente, ao conhecermos uma outra pessoa. Esse fato não é movido pelo interesse, porque esse sentimento é espontâneo e já estava gravado no Espírito. Entretanto, no desenvolver desse sentimento, o interesse passa a existir. Exemplo: Ao conhecer certa pessoa e sentir simpatia ou amor por ela (como se diz; a primeira vista), nos vêm logo o interesse de saber o seu nome, de conhecê-la melhor, de nos tornarmos simpáticos a ela, de conquistarmos a sua amizade, de sabermos onde e como vive etc. etc.

Se, cientes dessa realidade, por que não procurarmos viver em paz com nossos semelhantes, seguindo os ensinamentos de Jesus? Por que não vivermos em harmonia com a Natureza e as Leis de Deus, fazendo o bem, se temos o interesse maior de merecer uma boa morada na Casa do Pai Celestial, quando da nossa partida da Terra? Seja você um interessado pela sua paz, harmonia e felicidade, fazendo dos seus interesses a escada para a sua felicidade beneficiando também o seu próximo, aqui na Terra para alcançar também a felicidade na Espiritualidade, para onde você, Espírito imortal, irá um dia, juntar-se aos seus entes queridos.

Desejo a todos que lerem este artigo, muita paz, harmonia e saúde. . .  é o meu interesse final.             


Jc.

S .Luís, 4/11/1998                                                                               Refeito em 22/11/2015